Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,31
    +0,24 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.801,40
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    34.532,63
    +554,65 (+1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.101,75
    +3,75 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1214
    +0,0012 (+0,02%)
     

Consumo de energia cresce 6,8% na 1ª quinzena de junho, diz CCEE

·1 minuto de leitura
Linhas de poder conectando em torre de alta tensão elétrica vista em Brasília, Brasil.

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O consumo de eletricidade no Brasil subiu 6,8% na primeira quinzena de junho, ante o mesmo período do ano passado, em meio a uma recuperação dos impactos causados pela pandemia de Covid-19 em 2020, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

O avanço foi influenciado principalmente pela demanda do mercado livre, onde consumidores de alta tensão, como a indústria, empresas de grande e médio porte e shoppings compram energia, com alta de 20,4%.

Já no mercado regulado, onde estão as pequenas e médias empresas, o comércio e os consumidores residenciais, a demanda por energia cresceu 0,7%.

"A avaliação da Câmara é de que o aumento contínuo reflete a adaptação de setores da economia para operarem durante a pandemia", disse a CCEE em nota enviada à imprensa, destacando que o consumo de energia está em crescimento no país há 11 meses consecutivos.

A CCEE disse ainda que, entre os 15 ramos de atividade econômica avaliados, apenas os setores de telecomunicações e bebidas registraram quedas no período, de 2,1% e 5,4% respectivamente.

Os segmentos com as maiores altas, por sua vez, foram os de têxteis (62,4%) e fabricação de veículos (+45%).

Acompanhando o consumo, a geração cresceu 7,3% nos quinze primeiros dias desse mês, na comparação com o mesmo período de 2020, segundo a CCEE. O aumento se explica pela base de comparação mais reduzida de 2020, quando tanto a produção quanto o consumo de energia foram impactados pela pandemia.

(Por Marta Nogueira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos