Mercado fechado

Consumo de energia sobe 3% em setembro, maior avanço desde início da pandemia

·1 minuto de leitura
Torres e linhas de transmissão de energia em Caçapava (SP)
Torres e linhas de transmissão de energia em Caçapava (SP)

SÃO PAULO (Reuters) - O consumo de eletricidade do Brasil avançou 2,9% em setembro na comparação com mesmo mês de 2019, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), melhor desempenho desde o início da pandemia global de coronavírus, em meio ao retorno gradual das atividades econômicas do país.

Para reduzir a disseminação da doença, governos estaduais e prefeituras pelo Brasil decretaram quarentenas e incentivaram o isolamento social a partir de meados de março. Em abril, primeiro mês sob impacto dessas medidas, a demanda por energia desabou 12%.

Desde então, houve uma lenta recuperação do consumo, que voltou para perto dos níveis de 2019 a partir de julho.

Em setembro, com a continuidade da reabertura de comércios e outras atividades econômicas, foi registrado aumento de 0,5% no consumo de clientes de distribuidoras de energia, principalmente residenciais, segundo a CCEE.

Já no mercado livre de energia, onde grandes consumidores como indústrias e comércios podem negociar o suprimento diretamente com geradores ou comercializadoras, a demanda disparou 8,4% na comparação anual.

Esse forte aumento foi puxado principalmente pela migração de empresas que antes compravam energia das distribuidoras para esse mercado, disse a CCEE. Mas mesmo sem efeitos dessa migração o crescimento ainda teria sido significativo, de 3,5%.

"Esse comportamento evidencia a retomada do consumo à medida que ocorre o retorno gradual das atividades econômicas do país... A maioria dos segmentos apresentou crescimento em seu consumo", disse a CCEE em comunicado.

Dentre segmentos da economia que operam no mercado livre de energia e têm o consumo monitorado pela CCEE, destacaram-se com melhor desempenho os de saneamento (+29,4%), comércio (+21,3%) e bebidas (+14,7%).

(Por Gabriel Araujo e Luciano Costa; edição de Roberto Samora)