Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,34
    -0,67 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.789,80
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.269,05
    +240,55 (+1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,50
    +6,27 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.214,96
    +39,09 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.184,25
    -44,50 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2495
    -0,0171 (-0,32%)
     

Consumo de cerveja sem álcool quase dobra na pandemia

·1 min de leitura
Amigos tomando cerveja
O consumo, no entanto, não chega perto das cervejas com álcool, que registraram 14 bilhões de litros vendidos em 2021

(Getty Images)

  • Consumo de cerveja sem álcool cresce na pandemia

  • Em 2021, 260 milhões de litros foram vendidos, contra 140 milhões em 2019

  • Previsões apontam ritmo de crescimento similar em 2022

O mercado de cerveja sem álcool atingiu quase 260 milhões de litros vendidos em 2021. O crescimento é expressivo quando comparado ao patamar de 2019, que ficou em 140 milhões de litros, e ao de 2020, que subiu para 198 milhões.

Os dados são de um levantamento realizado pela Euromonitor a pedido do Sindicerv, o sindicato do setor. As informações foram compartilhadas no Painel S.A. da Folha de S. Paulo.

Leia também:

O consumo, no entanto, não chega perto das cervejas com álcool, que registraram 14 bilhões de litros vendidos em 2021. Ainda assim, chama a atenção pela dimensão do impulso, especialmente pelo avanço na fase mais aguda da pandemia, que restringiu o funcionamento de bares e restaurantes.

De acordo com as previsões do Sindicerv, 2022 deve apresentar um padrão de crescimento parecido.

Cervejas ficam mais caras

Apesar do alto consumo, o grupo holandês Heineken deve aumentar os preços de suas cervejas em todo o mundo. Segundo a empresa, o avanço da inflação em escala global tem elevado os custos de produção a patamares jamais vistos, gerando assim, pressão para mais reajustes.

Devido às posições de hedge e ao forte aumento nos preços de commodities, energia e frete, o grupo empresarial projeta um crescimento nos custos da produção de cervejas na base dos 15%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos