Mercado fechará em 5 h 3 min
  • BOVESPA

    117.723,27
    +525,45 (+0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.972,30
    +126,47 (+0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,34
    +0,58 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.718,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    20.085,00
    +203,50 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    457,24
    -5,89 (-1,27%)
     
  • S&P500

    3.767,60
    -15,68 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    30.133,37
    -140,50 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.981,04
    -71,58 (-1,01%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,77 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.575,00
    -48,75 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0999
    -0,0363 (-0,71%)
     

PIB do Brasil: consumo das famílias e investimentos puxam alta no 2º trimestre

PIB do Brasil cresceu com apoio do consumo das famílias e investimentos
PIB do Brasil cresceu com apoio do consumo das famílias e investimentos

O Produto Interno Bruto do Brasil cresceu 1,2% no 2º trimestre em comparação com os três meses anteriores, segundo divulgado nesta quinta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/

Comparado ao mesmo trimestre de 2021, a alta foi de 3,2%. Em valores reais, o PIB brasileiro chegou a R$ 2,4 trilhões, contra R$ 2,2 trilhões no primeiro trimestre.

Entre os setores que se destacaram nesse trimestre para economia brasileira estão indústria (2,2%), consumo das famílias (2,6%), serviços (1,3%), investimentos (4,8%) e importação (7,6%). Já exportações (-2,5%) e consumo do governo (-0,9%) foram os destaques negativos.

Conforme o IBGE, o novo resultado fez o PIB avançar 2,5% no primeiro semestre do ano. Com isso, a atividade econômica está 3% acima do nível pré-pandemia, do quarto trimestre de 2019. Também atingiu o segundo maior patamar da série, atrás apenas do primeiro trimestre de 2014.

Perspectivas para o semestre

Esse resultado do 2º trimestre e indicadores positivos nos últimos meses, como a queda da inflação e do desemprego, têm levado economistas a revisarem suas projeções para o crescimento no ano. Agora, a previsão é de um crescimento de 2% na média geral. No início de 2022, esse número girava em torno de 0,5%

Em 2023, porém, o quadro muda de figura. A expectativa é de crescimento baixo (em torno de 0,3% segundo o Boletim Focus) ou até retração, visto que os juros devem continuar altos - hoje em 13,75% - para controlar a inflação.

No ano passado, o PIB brasileiro cresceu 4,6% após tombar 3,9% em 2020 em decorrência da pandemia.

O que é o PIB

O PIB é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade, geralmente em um ano. Todos os países calculam o seu PIB nas suas respectivas moedas.

O PIB mede apenas os bens e serviços finais para evitar dupla contagem. Se um país produz R$ 100 de trigo, R$ 200 de farinha de trigo e R$ 300 de pão, por exemplo, seu PIB será de R$ 300, pois os valores da farinha e do trigo já estão embutidos no valor do pão.

Os bens e serviços finais que compõem o PIB são medidos no preço em que chegam ao consumidor. Dessa forma, levam em consideração também os impostos sobre os produtos comercializados.

O PIB não é o total da riqueza existente em um país. Esse é um equívoco muito comum, pois dá a sensação de que o PIB seria um estoque de valor que existe na economia, como uma espécie de tesouro nacional.

Na realidade, o PIB é um indicador de fluxo de novos bens e serviços finais produzidos durante um período. Se um país não produzir nada em um ano, o seu PIB será nulo.