Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.519,12
    +166,19 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Consumo das famílias sobe 0,7% no primeiro trimestre, mas é freado pela inflação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO*** SÃO PAULO/ SP, BRASIL,  11.03.2022 - Compras em supermercado na capital paulista. (Foto Zanone Fraissat/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO/ SP, BRASIL, 11.03.2022 - Compras em supermercado na capital paulista. (Foto Zanone Fraissat/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O consumo das famílias, motor do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, teve alta de 0,7% no primeiro trimestre de 2022, frente aos três meses imediatamente anteriores, informou nesta quinta-feira (2) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O consumo das famílias é o principal componente do PIB sob a ótica da demanda (ou seja, dos gastos com bens e serviços). Responde por cerca de 60% do cálculo do indicador no país.

O resultado do primeiro trimestre reflete um cenário de flexibilização de atividades econômicas após o baque causado pela pandemia de Covid-19.

A derrubada de restrições e o retorno de gastos com serviços, que haviam sido represados pela crise sanitária, foram os principais fatores que levaram nas últimas semanas economistas a projetarem avanço do indicador.

"No consumo das famílias, a demanda está relacionada aos serviços que são principalmente feitos de forma presencial, como as atividades ligadas a viagens", diz Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

Analistas, porém, avaliam que, passado o intervalo de volta das atividades econômicas, a reação do consumo pode esbarrar em uma série de ameaças nos próximos meses. Um dos principais riscos é o efeito dos juros mais altos, além da inflação persistente.

A retomada da demanda pelos serviços foi importante, mas o consumo das famílias está 0,7% abaixo do patamar pré-pandemia (o quarto trimestre de 2019), explica o IBGE. O indicador ficou 1,2% abaixo do pico da série, no primeiro trimestre de 2014.

O mercado de trabalho ainda não está favorecendo tanto o consumo, já que, apesar do crescimento da ocupação, a massa salarial caiu.

A inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) ficou em 10,7% no primeiro trimestre, na média, ante 5,3% no primeiro trimestre de 2021."Não fossem a inflação alta e a queda da massa salarial, o consumo das famílias poderia ter sido maior", diz Palis.

Ao mesmo tempo, programas de transferência de renda, como o Auxílio Brasil, ajudam a injetar recursos para famílias que geralmente não conseguem poupar e usam os recursos para consumo, sinalizou o IBGE.

O instituto também informou nesta quinta que os investimentos produtivos na economia brasileira, medidos pelo indicador de FBCF (Formação Bruta de Capital Fixo), caíram 3,5%.

"Essa queda foi impactada pela diminuição na produção e importação de bens de capital, apesar de a construção ter crescido no período", explicou Palis.

No primeiro trimestre, a taxa de investimento foi de 18,7% do PIB, ficando abaixo da registrada no mesmo período do ano passado (19,7%).

"A gente não tem mais esse espaço para simplesmente recuperar perdas. Daqui para a frente o crescimento vai ter de ser real, e isso preocupa", disse Juliana Trece, pesquisadora e economista da FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas). "A gente está num ano eleitoral, que é um ano que já tem muitas incertezas, tem muita polarização, e a gente vê a Formação Bruta de Capital Fixo em queda", afirma.

"A gente não consegue ver no longo prazo um crescimento robusto com uma taxa de investimento que está perdendo força, e isso compromete a geração de empregos", complementa a economista.

No setor externo, as exportações de bens e serviços cresceram 5,0%, enquanto as importações caíram 4,6% em relação ao quarto trimestre de 2021.

"O setor externo nos chama atenção, se houve um resultado bom devido à alta das exportações, as importações tombaram, sugerindo atividade doméstica mais fraca, mesmo com um real que se apreciou no período", diz André Perfeito, da Necton.

O primeiro trimestre foi marcado no cenário internacional pelos efeitos iniciais da Guerra da Ucrânia.

Com a invasão russa, commodities agrícolas e o petróleo tiveram alta nas cotações. Na teoria, preços mais elevados incentivam exportações e dificultam importações.

O consumo do governo, por sua vez, apresentou estabilidade (0,1%) no primeiro trimestre, de acordo com o IBGE.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos