Mercado fechará em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    100.833,39
    +2.114,41 (+2,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.678,38
    -43,91 (-0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    103,94
    +5,41 (+5,49%)
     
  • OURO

    1.740,00
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    20.930,06
    +762,02 (+3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    457,10
    +12,78 (+2,88%)
     
  • S&P500

    3.893,93
    +48,85 (+1,27%)
     
  • DOW JONES

    31.330,88
    +293,20 (+0,94%)
     
  • FTSE

    7.189,08
    +81,31 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    21.643,58
    +56,92 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.490,53
    +382,88 (+1,47%)
     
  • NASDAQ

    12.092,50
    +212,25 (+1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4234
    -0,1057 (-1,91%)
     

Consumo das famílias avança 3,6% em 2021, após queda de 5,4% em 2020

·2 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Motor do PIB (Produto Interno Bruto) no Brasil, o consumo das famílias cresceu 3,6% em 2021, indicou nesta sexta-feira (4) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A alta veio após queda de 5,4% em 2020, quando a chegada da pandemia de Covid-19 derrubou a economia nacional. O indicador ainda está 1,3% abaixo do nível pré-crise (final de 2019).

O PIB do país avançou 0,5% no quarto trimestre de 2021 e encerrou o ano com crescimento de 4,6%.

O consumo das famílias é o principal componente do PIB sob a ótica da demanda, respondendo por cerca de 60% do cálculo do indicador no país.

"Houve uma recuperação da ocupação em 2021, mas a inflação alta afetou muito a capacidade de consumo das famílias. Os juros começaram a subir. Tivemos também os programas assistenciais do governo. Ou seja, fatores positivos e negativos impactaram o resultado do consumo das famílias no ano passado", afirma a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Além da base de comparação fragilizada, a reabertura da economia também é apontada por analistas como um fator de influência para o crescimento em 2021.

A recuperação do consumo, entretanto, é ameaçada pelos juros mais altos no começo deste ano, pela inflação persistente e pela renda enxuta. Em conjunto, os três fatores diminuem o poder de compra da população.

Segundo os dados do PIB divulgados nesta sexta, os investimentos produtivos na economia brasileira, medidos pelo indicador de FBCF (Formação Bruta de Capital Fixo), também subiram em 2021. A alta foi de 17,2%, após queda de 0,5% no ano anterior.

O PIB sob a ótica da demanda contempla ainda exportações, importações e consumo do governo.

O consumo do governo caiu 4,5% em 2020 e cresceu 2% em 2021. As exportações avançaram 5,8% em 2021. Já as importações cresceram 12,4%.

"Como a economia aqueceu, o país importou mais do que exportou, o que gerou esse déficit na balança de bens e serviços. Isso puxou o PIB um pouco para baixo, contribuindo negativamente para o desempenho da economia", explica Rebeca Palis.

O IBGE também apresentou os dados trimestrais do PIB nesta sexta. No quarto trimestre de 2021, o consumo das famílias avançou 0,7% frente aos três meses imediatamente anteriores. Os investimentos produtivos na economia cresceram 0,4% no mesmo período.

Enquanto isso, as exportações tiveram baixa de 2,4% entre outubro e dezembro. As importações subiram 0,5% em igual intervalo. O consumo do governo avançou 0,8%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos