Mercado fechará em 5 h 13 min
  • BOVESPA

    106.470,70
    +96,84 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.973,27
    +228,35 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,47
    +1,65 (+1,97%)
     
  • OURO

    1.818,80
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    41.536,79
    -1.088,30 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,75
    -32,98 (-3,22%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.574,61
    -36,62 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.365,25
    -230,50 (-1,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2696
    -0,0242 (-0,38%)
     

Consumo cresce 0,9% no terceiro trimestre, mas investimento e exportação puxam PIB para baixo

·2 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Motor da economia brasileira, o consumo das famílias cresceu (0,9%) no terceiro trimestre de 2021, em relação aos três meses anteriores, após queda de 0,2% no trimestre anterior. O dado foi divulgado nesta quinta-feira (2) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O consumo das famílias é o principal componente do PIB (Produto Interno Bruto) sob a ótica da demanda, respondendo por cerca de 60% do cálculo do indicador.

O aumento da inflação, a alta dos juros e a redução da renda do trabalho estão entre os fatores que reduziram o poder de compra dos brasileiros no período.

O IBGE também informou nesta quinta, na divulgação do PIB, que os investimentos produtivos na economia brasileira, medidos pelo indicador FBCF (Formação Bruta de Capital Fixo), caíram 0,1% no trimestre, segunda queda consecutiva.

O PIB sob a ótica da demanda contempla ainda exportações, importações e consumo do governo.

As exportações recuaram 9,8% entre julho e setembro, em relação ao trimestre anterior. As importações tiveram queda de 8,3% no trimestre.

"A balança de bens e serviços negativa acabou puxando a variação do PIB para baixo na comparação com o trimestre anterior. Cabe destacar, no entanto, que na comparação interanual, ambas as atividades tiveram alta acentuada, muito por conta da retomada do turismo internacional, mas a contribuição ao crescimento ainda ficou negativa, já que as importações (20,6%) superaram em muito as exportações (4,0%)", afirma a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Por fim, o consumo do governo cresceu 0,8% no mesmo período.

Na comparação com o mesmo período de 2020, a despesa de consumo das famílias registrou resultado positivo pelo segundo trimestre seguido (4,2%), influenciada pelo aumento na ocupação no mercado de trabalho, pela expansão do crédito a pessoas físicas e pelo avanço da vacinação, segundo o IBGE.

O investimento cresceu 18,8% na mesma comparação. "A magnitude desse resultado é justificada pela alta na produção e importação de bens de capital, assim como pelo crescimento na construção", diz o IBGE.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos