Mercado fechará em 37 mins
  • BOVESPA

    119.440,36
    -124,08 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.872,74
    +472,94 (+0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,76
    -0,87 (-1,33%)
     
  • OURO

    1.814,50
    +30,20 (+1,69%)
     
  • BTC-USD

    55.501,63
    -2.000,77 (-3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.436,26
    -35,16 (-2,39%)
     
  • S&P500

    4.176,59
    +9,00 (+0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.386,43
    +156,09 (+0,46%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.521,00
    +30,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3722
    -0,0547 (-0,85%)
     

Consumo de carne processada pode aumentar o risco de demência, diz estudo

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

O consumo de carnes processadas pode ser mais prejudicial ao corpo humano do que se imagina, de acordo com um estudo realizado no Reino Unido. A pesquisa mostra que o alimento está ligado a diversos casos de Alzheimer e outras formas de demência.

Carnes processadas, como salsichas e nuggets, nunca foram consideradas alimentos saudáveis, com outros estudos já relacionando o seu consumo a doenças como diabetes do tipo 2, problemas cardiovasculares e outros tipos de câncer. Além disso, os alimentos também podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver sintomas mais graves de transtornos psiquiátricos.

<em>Imagem: Reprodução/Timolina/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/Timolina/Freepik

O estudo foi realizado com base em dados de população do projeto de pesquisa UK Biobank, que coletou informações de saúde e genética de cerca de meio milhão de pessoas com idades entre 40 e 69 anos, entre os anos de 2006 e 2010. Os voluntários precisaram preencher um questionário sobre alimentação no início da pesquisa e outras fichas ao longo de 16 meses. Os pesquisadores também conseguiram rastrear a saúde dos participantes através do sistema de saúde do Reino Unido, descobrindo se eles desenvolveram demência ou morreram pela doença.

Cerca de 2.900 casos de demência foram diagnosticados em todo o grupo, durante um acompanhamento de oito anos. Ao analisar os dados da dieta de cada um desses pacientes, os cientistas descobriram que o risco de ter demência aumentou em 44% para cada 25 gramas de carne processada ingerida diariamente. Porém, não conseguiram encontrar números relevantes ao consumo de carne em geral ou ainda para o consumo diário de carne de frango comum.

<em>Imagem: Reprodução/Léo Roza/Unsplash</em>
Imagem: Reprodução/Léo Roza/Unsplash

Por outro lado, o risco de demência diminuiu levemente para aqueles que comem, regularmente, carne vermelha não processada. O risco de adquirir a doença aumentou para quem possui a variação genética APOE ε4, o que já era esperado, mas esse risco não parece ter sido afetado pelo consumo de carne. "Nossas descobertas sugerem que o consumo de carne processada pode aumentar o risco de demência, e a ingestão de carne vermelha não processada pode estar associada a riscos mais baixos", diz a pesquisa.

Serão feitos novos estudos para avaliar os riscos de uma dieta a base de carne processada aos riscos de demência, além de descobrir como isso vem acontecendo. Enquanto isso, a recomendação é que o consumo seja reduzido para evitar o desenvolvimento da doença.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: