Mercado abrirá em 9 h 38 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,64
    +0,25 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.878,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    13.253,60
    +36,32 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    262,23
    -10,46 (-3,84%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.389,23
    -319,57 (-1,29%)
     
  • NIKKEI

    23.253,77
    -164,74 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.230,75
    +98,00 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7387
    +0,0043 (+0,06%)
     

Consumo de bebidas ilegais cresce 10% na pandemia, estima Euromonitor

Cibelle Bouças
·1 minuto de leitura

Volume de produtos ilícitos representa quase 40% do mercado total, segundo cálculos da consultoria O mercado ilícito de bebias destiladas no Brasil deve crescer 10,1% neste ano em relação ao 2019, movimentando 130,7 milhões de litros de álcool puro, o que equivale a 320 milhões de garrafas de 1 litro de bebida destilada com teor alcoólico de 40%. As estimativas são da consultoria Euromonitor International. Esse volume corresponde a 37,9% do total de bebidas destiladas vendidas no Brasil, calcula a consultoria. Em 2017, o percentual era menor, de 28,8%. O aumento do consumo de bebidas ilegais, segundo a consultoria, deve-se à pandemia de covid-19, que afetou o poder de compra dos consumidores. O estudo indica que lojas de bairro, sites e até aplicativos de entrega tornaram-se pontos de venda de bebidas ilegais, devido à redução da fiscalização e da falta de regulamentação para a oferta em novos canais de vendas. De acordo com o Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), as bebidas ilícitas são vendidas a preços até 70% abaixo do preço das bebidas legalizadas, gerando impacto duro sobre o setor da cachaça, que responde por 70% do volume de vendas de bebidas destiladas no país. O Ibrac estima que o valor perdido com o mercado ilegal de bebidas alcoólicas em 2017 foi de R$ 10 bilhões. A pesquisa da Euromonitor revelou ainda um aumento do contrabando devido a falhas na vigilância das fronteiras brasileiras, com novas rotas sendo criadas do Paraguai para o Mato Grosso. As apreensões de produtos contrabandeados dobraram durante a pandemia. Também houve aumento da produção de bebidas falsificadas no interior de São Paulo, feitas por pequenas fábricas ilegais. Pixabay