Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    46.906,27
    -738,96 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Consumidores e gastos estatais garantem recuperação econômica da Alemanha no 2º tri

·1 minuto de leitura
Fábrica da Volkswagen em Wolfsburg, Alemanha

Por Michael Nienaber

BERLIM (Reuters) - A economia da Alemanha cresceu mais do que o esperado no segundo trimestre uma vez que o afrouxamento das restrições devido à Covid-19 levou os consumidores a usarem suas poupanças recordes acumuladas durante o lockdown, bem como o estímulo estatal financiado pela enorme dívida.

O Produto Interno Bruto cresceu 1,6% no trimestre em dado ajustado, informou nesta terça-feira a Agência Federal de Estatísticas, contra estimativa anterior de 1,5% e após contração no primeiro trimestre de 2%.

No ano, a maior economia da Europa expandiu 9,4% no segundo trimestre em dado ajustado ao calendário, deixando a atividade econômica 3,3% abaixo do nível pré-crise visto no quarto trimestre de 2019.

O consumo privado cresceu 3,2% entre abril e junho, contribuindo com 1,6 ponto percentual para o crescimento geral e reduzindo a taxa de poupança para 16,3%. No primeiro trimestre, quando lojas, bares e restaurantes estavam fechados devido ao lockdown na Alemanha, essa taxa chegou à máxima recorde de 22%.

O consumo público expandiu 1,8%, contribuindo com 0,4 ponto para a taxa de crescimento geral.

Os gastos estatais para aliviar o impacto da crise do coronavírus, financiados por novos empréstimos sem precedentes, abriu um buraco de 80,9 bilhões de euros nas finanças públicas na primeira metade do ano, disse a agência de estatísticas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos