Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.386,54
    +71,80 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Consumidores amenizam medo de recessão nos EUA, segundo CEOs

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Executivos corporativos nos EUA ressaltam a força dos consumidores americanos diante da inflação para amenizar os temores crescentes de recessão.

Os CEOs dos bancos iniciaram a temporada de balanços com uma mensagem consistente de que as finanças domésticas e a demanda das famílias estão em boa forma.

A Procter & Gamble, que conta com a Pampers entre suas marcas, viu os consumidores buscarem produtos de marcas premium. O Bank of America e a American Express observaram uma sólida demanda por viagens.

O CEO da Tractor Supply, Hal Lawton, foi mais direto na teleconferência de resultados da varejista em 21 de abril: “Qualquer conversa sobre recessão neste momento é prematura”.

A situação dos consumidores americanos, cujos gastos respondem por cerca de dois terços da economia, está em debate nas últimas semanas. Alguns analistas esperam que a inflação diminua a demanda e outros antecipam que ela permanecerá robusta.

“A partir de nossos dados de cartão, observamos uma forte recuperação nos gastos com viagens, entretenimento e restaurantes”, o CEO do Bank of America Brian Moynihan disse semana passada.

Mesmo depois de contabilizar os efeitos do pacote de estímulo econômico de US$ 1,9 trilhão em março do ano passado, Moynihan disse que “vimos gastos no mês de março de 2022 em uma base comparável a 2021, 13% maiores em volume de dólares e vimos um aumento de 7,4% no número de transações. Portanto, tanto os volumes em dólares quanto os números de transações aumentaram bem.”

Embora os ganhos salariais em geral não acompanharam a inflação, os ganhos médios por hora dos americanos aumentaram 5,6% em março em relação ao ano anterior, maior alta desde maio de 2020.

As finanças domésticas estão em ordem, reforçadas por altas nos mercados imobiliário e acionário. O coeficiente entre pagamento de dívidas e renda disponível está bem abaixo da média histórica.

Probabilidades de recessão

No entanto, surgem dúvidas sobre as perspectivas da economia. A mais recente pesquisa mensal da Bloomberg realizada no início de abril mostrou que os economistas colocam uma chance de 27,5% de recessão no próximo ano, acima dos 20% em março.

A inflação mais alta desde 1981, as perspectivas de uma política mais agressiva do Federal Reserve, as cadeias de suprimentos ainda tênues e a guerra na Ucrânia aumentaram as preocupações sobre se a economia dos EUA pode sustentar o sólido crescimento experimentado no último ano e meio.

Por sua vez, os dirigentes do Fed estão prestes a aumentar a sua taxa de juro de referência em meio ponto percentual na próxima semana. A tarefa do banco central é complicada - moderar a demanda e, portanto, a inflação, e ao mesmo tempo garantir que a economia não entre em recessão.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos