Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.939,06
    +3.127,97 (+6,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Consumidor vai receber R$ 4 mil por atraso em recall de automóvel

Extra
·1 minuto de leitura
Foto: Agência O Globo

Um motorista que levou sua caminhonete para reparo no airbag, atendendo a uma chamada de recall da concessionária, e, ao invés de ter o veículo devolvido no dia seguinte, só pôde buscar o automóvel dez dias depois ganhou na justiça o direito de ser indenizado com R$ 4 mil. O 5º Juizado Especial Cível de Goiânia alegou má prestação dos serviços.

O cliente disse que o atraso gerou prejuízos à sua rotina e, por isso, ajuizou ação de indenização por danos morais. Também contou que enfrentou dificuldades para conseguir um veículo reserva: foi atendido dias depois e recebeu um carro diferente do original e incompatível com suas necessidades.

A empresa afirmou que não havia vício de fabricação e tentou argumentar que o recall é programa de prevenção. A concessionária admitiu que houve ligeiro atraso no fornecimento das peças pela fabricante, mas se defendeu dizendo que não foi ultrapassado o prazo de 30 dias previsto no Código de Defesa do Consumidor.

"É bem verdade que o proprietário do veículo está sujeito a ter que levar
o mesmo para reparos, pois quanto maior a utilização, maior o desgaste dos componentes e a probabilidade da necessidade de reparação. Todavia, essa reparação deve ser efetiva e ágil de acordo com a exigência legal das normas consumeristas", apontou a juíza Roberta Nasser Leone.

Para ela, a perda de tempo e o estresse gerados pela situação superam a normalidade e configuram dano moral:

"Qualquer pessoa que tenha uma rotina de compromissos diários e tem que dispor de tempo para buscar a reparação de seu veículo, ficando, eventualmente, sem meio de locomoção, sofre transtornos e desgastes incalculáveis", destacou.