Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.296,92
    +122,50 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Consumidor já paga dois PlayStation 5 a mais para financiar carro com Selic maior

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A nova elevação da Selic, anunciada nesta quarta (15) pelo Banco Central, terá pouco impacto na redução de crédito ao consumidor se vista de forma isolada. Entretanto, as 11 altas consecutivas da taxa básica de juros já fazem o consumidor pagar dois consoles PlayStation 5 a mais em um financiamento de carro usado de R$ 40 mil.

No cartão de crédito, o aumento de 12,75% para 13,25% ao ano da Selic resulta em alta de 373,24% dos juros do rotativo no acumulado dos últimos 12 meses.

A aquisição de um empréstimo pessoal também ficou mais cara. O crédito de R$ 5.000 para pagamento em 12 meses ao banco tinha parcelas de R$ 507,72 há um ano, por exemplo. A mesma parcela com a nova taxa de juros subirá para R$ 532,45.

No fim, o tomador pagará R$ 6.390 para quitar a dívida em vez dos R$ 6.093 de quando a Selic estava a 2% ao ano, segundo levantamento da Anefac (Associação Nacional de Executivos).

Os dados da entidade mostram ainda que para comprar uma geladeira de R$ 1.500 o consumidor agora vai pagar cerca de R$ 75 a mais em cada uma das 12 prestações.

"Como a inflação está alta, o Banco Central sobe os juros de forma a desestimular o consumo. Para que as pessoas deixando de comprar, os preços possam subir menos", afirma Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor executivo de estudos e pesquisas econômicas da Anefac.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos