Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.782,30
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    55.169,67
    +653,64 (+1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.262,96
    +28,55 (+2,31%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.661,58
    -474,15 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.490,23
    -610,15 (-2,10%)
     
  • NASDAQ

    13.736,25
    -58,00 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6867
    -0,0158 (-0,24%)
     

Consultoria da Câmara aponta falhas do governo e do Congresso na elaboração do Orçamento

THIAGO RESENDE
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara concluiu que a série de problemas identificados no Orçamento de 2021, aprovado na semana passada, foram consequência de falhas do governo e do Congresso, inclusive de um drible do relator do projeto, senador Márcio Bittar (MDB-AC), que, segundo o estudo, não poderia ter cortado despesas sem que houvesse um estudo prévio. O Orçamento, que seguiu para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi considerado inviável, de acordo com integrantes do Ministério da Economia. O relatório da consultoria aponta que as projeções de despesas obrigatórias para 2021 estão subestimadas em R$ 32,7 bilhões. Há, portanto, menos dinheiro que o necessário esperado para bancar aposentadorias e pensões, benefícios assistenciais a idosos e pessoas com deficiência (BPC), seguro-desemprego, abono salarial (espécie de 14º salário para trabalhadores com carteira assinada) e compensação da Previdência diante da prorrogação da desoneração da folha de pagamentos para alguns setores da economia. Técnicos de Orçamento da Câmara apontam que o Ministério da Economia se omitiu nas discussões, e não enviou um pedido de ajuste no projeto de Orçamento em função do aumento do salário mínimo acima do esperado anteriormente. "Deve-se registrar que, mesmo tendo conhecimento da subestimativa inicial das despesas com benefícios previdenciários, não houve iniciativa do Executivo de envio de projeto de lei modificativo do PLOA [proposta de Orçamento] 2021", ressalta o documento. O relatório mostra que, na elaboração da lei orçamentária, tanto do Executivo como o Legislativo são responsáveis pelo correto dimensionamento da verba para despesas obrigatórias, com base em metodologia. O objetivo é que a União cumpra seus compromissos, pois são gastos que não podem ser adiados. Na nota técnica, a consultoria aponta ainda uma manobra do relator para reduzir as projeções de despesas obrigatórias, abrindo espaço para atender a emendas parlamentares --quando deputados e senadores destinam recursos para obras e projetos na base eleitoral. Apesar de alertas sobre a insuficiência de recursos para gastos obrigatórios, Bittar, após negociações políticas, cortou mais verba para essa área e tirou R$ 26,5 bilhões para aposentadorias, pensões, benefícios previdenciários, abono salarial e seguro-desemprego. Ele não apresentou modelos contábeis que justificassem a decisão e a diminuição desses recursos. Segundo a nota da Câmara, a CMO (Comissão Mista de Orçamento) aprovou um parecer preliminar permitindo que o relator pudesse reduzir a previsão de despesas obrigatórias. Isso "pode levar à conclusão de que o parecer preliminar legitima o relator-geral a promover quaisquer cancelamentos de despesas obrigatórias, o que contraria todos os princípios já citados (legalidade, segurança jurídica), as demais normas que regulam o processo orçamentário e a prática consolidada no Congresso Nacional em mais de três décadas", alerta o documento. Para os consultores, mesmo com o aval do parecer preliminar, vale a regra orçamentária de que há proibição do cancelamento de despesas obrigatórias, salvo comprovado erro na projeção. Técnicos do Ministério da Economia ainda buscam uma solução para o impasse sobre o Orçamento de 2021. Uma solução em estudo é convencer parlamentares e ministros da área de infraestrutura e obras concordem em desistir de alguns projetos (emendas), abrindo espaço no Orçamento para os gastos obrigatórios, que estão abaixo do patamar mínimo.