Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.541,26
    +242,41 (+1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,45
    +0,82 (+0,31%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Construtora Pacaembu confirma adiamento de IPO

Álvaro Campos
·1 minuto de leitura

Precificação agora está prevista para ocorrer no dia 29 A Construtora Pacaembu confirmou o adiamento da sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), que havia sido antecipado pelo Valor. A precificação, que estava prevista para ontem, agora deve ocorrer no dia 29. A faixa indicativa de preço não foi alterada. Ela vai de R$ 8,10 a R$ 10,10. Considerando o meio da faixa, de R$ 9,10, a companhia levanta R$ 597,848 milhões na oferta base. A oferta será 44,2% primária - quando os recursos vão para o caixa da empresa - e 55,8% secundária - quando um acionista atual vende parte de sua fatia. A companhia será negociada no Novo Mercado da B3 sob o ticker ‘PCBU3’. Os principais acionistas vendedores são Eduardo Robson Raineri de Almeida, que tem uma fatia de 40,50% e pode reduzir para até 18,33%, se for exercido o lote suplementar; Wilson de Almeida Junior, que tem 36,00% e pode cair para até 14,66%; Victor Bassan de Almeida, que tem 9,00% e pode ir a 7,34%; e Fernando Bassan de Almeida, que tem 4,50% e pode ir a 3,67%. A Pacaembu Construtora nasceu há 29 anos e foca no desenvolvimento e construção de empreendimentos residenciais de padrão econômico, dirigido ao público consumidor com baixa renda, tendo atualmente aproximadamente 7,9 mil unidades em construção. Teve receita líquida de R$ 252,593 milhões no primeiro semestre deste ano, com queda anual de 16,9%. O lucro foi de R$ 26,064 milhões, com baixa de 72,6%. A operação é liderada por Credit Suisse, ABC Brasil e Caixa.