Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.539,36
    +1.534,14 (+1,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.462,68
    +172,77 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.842,70
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    29.305,30
    -685,96 (-2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    652,76
    -20,62 (-3,06%)
     
  • S&P500

    3.901,37
    +0,58 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.260,58
    +7,45 (+0,02%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.817,75
    -60,50 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1402
    -0,0786 (-1,51%)
     

Construção espacial: bactérias podem ajudar a produzir tijolos com solo de Marte

·2 min de leitura

Um novo método sustentável pode possibilitar "construções espaciais" com tijolos produzidos a partir do solo marciano, misturado a bactérias e ureia. O processo foi criado através de uma colaboração entre pesquisadores da agência espacial indiana (ISRO, Indian Space Research Organization) e do Indian Institute of Science (IISc).

O grupo de pesquisa já havia tentado produzir tijolos com solo lunar, mas o problema é que o método empregado produzia somente tijolos cilíndricos. Agora, eles propõem um processo que envolve uma mistura pastosa, criada a partir de solo marciano simulado com goma guar (produzida a partir das sementes de uma planta), bactérias Sporosarcina pasteurii, ureia e cloreto de níquel.

Tijolos criados com o novo método, a partir de solo marciano simulado (Imagem: Reprodução/Nitin Gupta)
Tijolos criados com o novo método, a partir de solo marciano simulado (Imagem: Reprodução/Nitin Gupta)

O composto pode ser derramado em moldes da forma desejada, e após alguns dias as bactérias transformam a ureia em cristais de carbonato de cálcio. Junto dos biopolímeros produzidos pelos microrganismos, os cristais podem servir como cimento, mantendo as partículas de solo unidas. “As bactérias penetram profundamente nos espaços entre os poros, usando suas próprias proteínas para unir as partículas, reduzindo a porosidade e criando tijolos mais fortes”, disse Aloke Kumar, um dos autores do estudo.

Assim, o método permite criar tijolos menos porosos, um problema já observado em tentativas anteriores de produzi-los a partir do solo marciano, com a vantagem de permitir a produção em formatos variados. Agora, a equipe quer investigar como a fina atmosfera de Marte e a gravidade por lá podem afetar a resistência dos tijolos — como a atmosfera marciana é 100 vezes mais rarefeita que a da Terra e tem 95% mais dióxido de carbono, o crescimento das bactérias pode ser afetado.

Para isso, eles desenvolveram o dispositivo Martian AtmospheRe Simulator (MARS), uma câmara que reproduz as condições atmosféricas do Planeta Vermelho. Eles criaram também um dispositivo voltado para a coleta de medidas da atividade bacteriana em condições de microgravidade para experimentos futuros. Com a ISRO, a equipe planeja enviar os dispositivos ao espaço para estudar os efeitos da microgravidade no crescimento das bactérias.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista PLos ONE.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos