Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    36.254,32
    -972,14 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

Conselhos com mais mulheres refletem melhor política ambiental

Heesu Lee
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Empresas com maior diversidade de gênero em seus conselhos de administração apresentam melhor desempenho no desenvolvimento de políticas e métodos para enfrentar os riscos da mudança climática, de acordo com a BloombergNEF.

As empresas, incluindo concessionárias de energia elétrica e produtores de petróleo com 30% ou mais dos cargos de diretoria ocupados por mulheres, costumam pontuar melhor em divulgações ambientais, disseram a BNEF e a Sasakawa Peace Foundation em estudo publicado na terça-feira. Essas empresas são mais propensas a definir estratégias claras de governança climática e mostrar maior transparência na divulgação de dados relacionados, como emissões.

O estudo analisou 11.700 empresas globais e revelou que o aumento das emissões de empresas com 30% de mulheres na diretoria foi de 0,6%, em comparação com 3,5% daquelas sem nenhuma mulher no conselho.

“Empresas com melhor governança climática podem utilizar dados ambientais medidos, verificados e relatados para identificar o potencial de redução de emissões”, de acordo com o relatório. “A governança da mudança climática pode ser um passo importante para reduzir as emissões a longo prazo.”

Grandes produtores de energia, como Royal Dutch Shell e BP, são exemplos de empresas que estabeleceram metas de descarbonização mais ambiciosas do que a maioria dos pares e também têm uma participação maior de mulheres em seus conselhos, segundo o relatório.

Ter mais mulheres em cargos de chefia geralmente está associado ao desempenho positivo da empresa em relação a um setor, embora isso não se aplique a todos os segmentos e a pesquisa acadêmica ainda não seja conclusiva, disseram estrategistas do Goldman Sachs em outubro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.