Mercado abrirá em 5 h 8 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,12
    +0,25 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.942,80
    -2,50 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    23.093,94
    +228,81 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    22.068,45
    +226,12 (+1,04%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.113,50
    -38,50 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5201
    +0,0045 (+0,08%)
     

Conselho de Supervisão da Meta pede que Facebook autorize lema 'morte a Khamenei'

O Conselho de Supervisão da gigante americana Meta, empresa dona do Facebook, pediu à rede social que autorize uma publicação com a mensagem "morte a Khamenei", o líder supremo iraniano, que foi removida pelo grupo.

Em sua decisão desta segunda-feira (9), "o Conselho acredita que a remoção da publicação não é consistente com os padrões comunitários, valores, ou responsabilidades de direitos humanos da Meta".

O Conselho de Supervisão é um painel independente financiado pela Meta. Suas decisões são obrigatórias para a empresa.

Em julho do ano passado, os moderadores do Facebook decidiram que publicações com o slogan persa "marg bar Khamenei", traduzido literalmente para "morte a Khamenei", violavam as diretrizes da empresa contra incitação a danos, ou a assassinato. Desde então, elas são removidas das plataformas.

Na direção contrária, o Conselho de Supervisão estabeleceu que a frase não era uma ameaça crível e que não violou as diretrizes. Embora a tradução literal seja "morte a (...)", no contexto dos protestos iranianos seu significado estava mais próximo de "abaixo com (...)".

A publicação data de julho de 2022: contém uma charge do aiatolá Ali Khamenei com a legenda "morte ao governo islâmico contra as mulheres" e "morte ao seu líder imundo Khamenei".

Desde setembro, o Irã está imerso em uma onda de protestos desencadeados pela morte da curdo-iraniana Mahsa Amini, de 22 anos, três dias depois de ter sido detida pela polícia da moral. Ela foi acusada de infringir o código de vestimenta feminina em vigor na República Islâmica.

O fracasso do Facebook em impor a liberdade de expressão "levou ao silenciamento do discurso político destinado a proteger os direitos das mulheres", afirmou o Conselho de Supervisão.

A Meta tem de decidir, frequentemente, entre moderar um conteúdo que pode ser considerado violento, ou defender a liberdade de expressão.

dho/clc/db/yow/ap/tt