Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.236,59
    +1.087,46 (+2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Conselho de revisão do Facebook anula quatro decisões de remoção de conteúdo

·2 minuto de leitura
A "instância superior" do Facebook reverteu quatro casos de remoção de conteúdo da plataforma

A "instância superior" do Facebook emitiu suas primeiras decisões nesta quinta-feira (28), revertendo quatro das cinco decisões anteriores de remover conteúdos da plataforma.

Esta série inicial de decisões não inclui a suspensão indefinida de Donald Trump do Facebook e Instagram após o ataque ao Congresso dos Estados Unidos, mas o conselho disse na semana passada que concordou em considerar o caso.

As quatro decisões revogadas incluem uma postagem que afirmava que a França não tinha uma estratégia de saúde e de que há uma cura para a covid-19.

Esta postagem foi removida porque contribuía para "um risco de dano físico iminente". Mas o conselho de revisão disse que a regra do Facebook sobre desinformação e dano iminente é "indevidamente vaga".

Outro dos julgamentos revertidos diz respeito a uma usuária do Instagram no Brasil que postou fotos de mamilos de mulheres como parte de uma mensagem para aumentar a conscientização sobre o câncer de mama.

O conselho decidiu que as fotos deveriam ser permitidas à luz da política de exceção do Facebook para a conscientização do câncer de mama.

A remoção de um post que condena o tratamento dos muçulmanos uigures na China também foi anulada.

“As deliberações revelaram a enorme complexidade dos problemas tratados”, disse o “tribunal” da rede social.

Em vários dos casos, os membros do conselho se perguntaram se as regras do Facebook eram claras o suficiente para que os usuários entendessem.

O conselho disse que desde que começou a aceitar casos em outubro do ano passado, recebeu mais de 150.000 ações judiciais.

"Como não podemos lidar com todos os recursos, priorizamos aqueles que têm o potencial de afetar muitos usuários ao redor do mundo, são essenciais para o discurso público ou levantam questões importantes sobre as políticas do Facebook", disse ele.

O conselho de supervisão do Facebook tem a tarefa de tomar as decisões finais sobre as apelações relacionadas ao que foi removido ou permitido permanecer na maior rede social do planeta.

O grupo analisa os casos que envolvem propaganda nazista, discurso de ódio, nudez, desinformação sobre a pandemia e pessoas ou organizações perigosas.

O painel foi criado no ano passado a pedido do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, em meio a preocupações crescentes sobre desinformação e manipulação em torno da eleição presidencial dos EUA.

dw-gc/ft/dg/yow/jc/mvv