Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,40
    +4,90 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    35.601,88
    +1.201,90 (+3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,42
    -4,19 (-0,60%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,24 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    13.317,50
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4108
    -0,0878 (-1,35%)
     

Conselho estadual nega pedido de tombamento do complexo esportivo do Ibirapuera

LANCE!
·1 minuto de leitura


Nesta terça-feira (1), o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) rejeitou o pedido de abertura do processo de tombamento do Conjunto Esportivo Constâncio Vaz Guimarães, onde está localizado o ginásio do Ibirapuera.

A decisão acontece em acordo com os planos do governador João Dória para o conjunto localizado na zona sul da cidade de São Paulo. O Governo do Estado pretende ceder o espaço de 92 mil m² para a iniciativa privada, em contrato de 35 anos. Um projeto de construção de uma arena multiuso no local das pistas de atletismo e um shopping no setor do ginásio já existe.


No pleito, 16 conselheiros votaram contra, enquanto 8 se posicionaram favoravelmente. O resultado da votação permite que as estruturas do local sejam demolidas. Caso o tombamento fosse aprovado, a derrubada dos prédios seria proibida e a concessão do espaço perderia valor e interesse dos empresários, que visam explorar uma das regiões mais ricas da capital paulista.

Vale lembrar que a composição dos conselho foi alterada por Dória em abril de 2019. Antes da mudança, a formação se dava por 12 conselheiros das universidades, entre os 30 totais. Hoje, apenas 4 dos 24 conselheiros são das instituições de ensino. Além disso, o governador passou a escolher os representantes de universidades e da sociedade civil.

A Secretaria de Esporte do Estado aponta que o investimento mínimo é de R$ 220 milhões. O concessionário deve ser escolhido no mês de fevereiro. Caso a privatização seja feita, atletas que utilizam a área terão que se deslocar para a Vila Olímpica Mário Covas, na região do Butantã ou locais conveniados em cidades da Grande São Paulo.