Mercado abrirá em 9 h 9 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,52 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,05
    +0,35 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.733,00
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    60.512,21
    +826,28 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.294,04
    -0,54 (-0,04%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.789,36
    +336,08 (+1,18%)
     
  • NIKKEI

    29.856,55
    +317,82 (+1,08%)
     
  • NASDAQ

    13.816,25
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Conselho da Petrobras aprova venda de refinaria na Bahia para Mubadala por US$1,65 bi

·3 minuto de leitura
.

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O conselho de administração da Petrobras aprovou nesta quarta-feira a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e seus ativos logísticos associados, na Bahia, para a Mubadala Capital, por 1,65 bilhão de dólares, informou a companhia em fato relevante ao mercado.

A assinatura do contrato de compra e venda ocorrerá em breve, segundo a companhia, que ponderou que o fechamento do negócio está ainda sujeito ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pelo órgão antitruste Cade.

A empresa disse ainda que a refinaria Rlam será a primeira dentre as oito que estão em processo de venda a ter o contrato assinado. No processo de desinvestimento em curso, a companhia busca se desfazer de cerca de metade da capacidade de refino do país.

A Rlam tem capacidade de processamento de 333 mil barris/dia, ou 14% da capacidade total de refino de petróleo do Brasil, e seus ativos incluem quatro terminais de armazenamento e um conjunto de oleodutos que interligam a refinaria e os terminais, totalizando 669 km de extensão.

"É o começo do fim de um monopólio numa economia ainda com monopólios em várias atividades", disse em nota o presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

"O desinvestimento da Rlam contribui para a melhoria da alocação de capital, redução do ainda elevado endividamento e para iniciar um processo de redução de riscos de intervenções políticas na precificação de combustíveis, que tantos prejuízos causaram para a Petrobras e para a própria economia brasileira."

A venda integra compromisso firmado pela Petrobras com o Cade para a abertura do setor de refino no Brasil.

Após a venda das oito refinarias, a Petrobras destacou que permanecerá com uma capacidade de refino de 1,15 milhão de barris por dia (bpd), com foco na produção de combustíveis mais eficientes e sustentáveis.

Para isso, a Petrobras investirá em tecnologias para tornar suas refinarias duplamente resilientes, tanto do ponto de vista ambiental quanto econômico, disse a empresa. A projeção é dobrar, em cinco anos, a oferta nessas refinarias de Diesel S-10, de menor emissão, e "a custos cada vez mais competitivos".

O desinvestimento da Rlam, destacou a Petrobras, contou também com "fairness opinions" dos bancos Citibank, Rotschild e Santander, pareceres técnicos da consultoria global IHS-Markit e da Fundação Getulio Vargas e parecer jurídico do Dr. Francisco Costa e Silva, ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários e especialista em Direito Societário.

FUTURO DA RLAM

Também no comunicado, o diretor-executivo da Mubadala Capital no Brasil, Oscar Fahlgren, afirmou que a empresa acredita que a refinaria possa se tornar um fio condutor para novos investimentos na cadeia de valor de energia, gerando impactos positivos para o setor, a sociedade e para a economia regional.

"Subsequentemente, planejamos maximizar o uso dos ativos da Rlam e toda sua capacidade instalada, investindo em projetos de expansão e melhorias. Acreditamos que, a partir da conclusão do nosso investimento na Rlam, seremos capazes de atrair parceiros globais de negócios para o setor, multiplicando o impacto positivo gerado."

Até o cumprimento das condições precedentes e o fechamento da transação, a Petrobras informou que manterá normalmente a operação da refinaria e de todos os ativos associados.

Após o fechamento, a Petrobras continuará apoiando a Mubadala Capital nas operações da Rlam durante um período de transição. Isso acontecerá sob um acordo de prestação de serviços, evitando qualquer interrupção operacional.

A petroleira reiterou ainda que nenhum empregado da companhia será demitido por conta da transferência do controle da refinaria para o novo dono.

"Os empregados da Petrobras que decidirem permanecer na companhia poderão optar por transferência para outras áreas da empresa. Outra possibilidade é a adesão ao Programa de Desligamento Voluntário, com pacote de benefícios", completou a empresa.

(Por Marta Nogueira)