Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.378,74
    -108,31 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Conselheiro da Petrobras defende subsídio para combustível

(Bloomberg) -- Os subsídios são a única maneira de aliviar as pressões dos combustíveis, já que a Petrobras deve continuar acompanhando os preços internacionais, disse Marcelo Gasparino, representante dos acionistas minoritários no conselho da estatal.

Segundo ele, o governo deveria criar um subsídio específico para setores como transporte rodoviário, transporte coletivo urbano, táxis e aplicativos. Seria uma medida semelhante à adotada pelo ex-presidente Michel Temer em 2018, para resolver a greve dos caminhoneiros, que prejudicava a economia.

“A solução conjuntural não é simples, mas está nas mãos dos governos federal e estadual”, afirmou Gasparino, em entrevista.

Apesar da pressão crescente para que o governo adote subsídios, já que a inflação supera 12% apenas cinco meses antes das eleições, a equipe econômica enfrenta limitações fiscais e eleitorais, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

A chance de o governo adotar subsídios pode se tornar ainda mais remota depois que o presidente Jair Bolsonaro substituiu o ministro de Energia Bento Albuquerque na quarta-feira. Enquanto Albuquerque insistia que a Petrobras não poderia manter os preços dos combustíveis estáveis a menos que houvesse subsídios, seu substituto Adolfo Sachsida é contra essa ajuda.

Para os membros da equipe econômica, da qual Sachsida fez parte desde 2019, a gigante petrolífera poderia ser mais sensível socialmente ao repassar os aumentos do preço do petróleo aos consumidores.

Gasparino, que é membro do conselho da empresa desde 2021, também argumenta que os governos estaduais precisam revisar a forma de cálculo da pauta fiscal do ICMS - embora ele admita que isso seja improvável, devido à proximidade das eleições.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos