Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,37
    +0,22 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.814,00
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,48
    +54,71 (+5,90%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.390,01
    -36,54 (-0,14%)
     
  • NIKKEI

    27.654,62
    +70,54 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    15.091,75
    +18,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1178
    -0,0005 (-0,01%)
     

Conhecimento público geral sobre ciberataques ainda é baixo, confirma pesquisa

·2 minuto de leitura

Parte do cotidiano de quem acompanha o mundo da tecnologia, os ciberataques ainda são pouco conhecidos entre o público em geral. Segundo uma pesquisa conduzida pela empresa de segurança Armys entre 2 mil profissionais dos Estados Unidos, uma parte considerável deles ainda não têm muito conhecimento sobre os riscos e consequências que ataques virtuais podem trazer.

Dentre os entrevistados, quase 25% não tinha conhecimento sobre o ataque de ransomware que afetou a Colonial Pipelines, maior operadora de oleodutos do país. Além disso, 23% diziam acreditar que a situação não teria grandes impactos sobre a indústria de combustíveis — o ataque fez com que, em maio deste ano, o presidente Joe Biden assinasse uma ordem executiva para reformular a segurança digital do país.

A pesquisa também revelou que mais da metade dos entrevistados desconhecia os ataques realizados em fevereiro deste ano conta o suprimento de água da cidade de Oldsmar, na Flórida. Na ocasião, um hacker acessou remotamente os sistemas de tratamento locais e aumentou o nível de hidróxido de sódio a quantidade 110 vezes maiores do que o recomendado para consumo.

Falta de conhecimento expõe empresas a riscos

“Esses dados mostram que há menos atenção dos consumidores a esses ataques do que podemos esperar, e a responsabilidade cai sobre os negócios para aumentar suas defesas”, afirma Curtis Simpson, CISO da Armis. A pesquisa também revelou uma tendência perigosa: mais de 50% dos profissionais acreditava que dispositivos pessoais não traziam ameaças a suas empresas, e 70% esperavam trazer equipamentos de suas casas para o escritório assim que o trabalho presencial for retomado.

Para Simpson, os ataques recentes contra empresas de infraestrutura demonstram a grande necessidade de novas políticas de cibersegurança e de programas de conscientização. “Organizações devem ser capazes de saber o que possuem, rastrear o comportamento, identificar ameaças e tomar medidas imediatamente para proteger a segurança de suas operações”, explica.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos