Mercado fechado

Conheça a primeira mulher a conhecer todos os países do mundo

Reprodução/Cassandra de Pecol/@cassiedepecol

Com menos de 30 anos, a americana Cassandra de Pecol realizou o sonho de muita gente: ela se tornou a primeira mulher a conhecer o mundo todo. Depois de um ano e meio de planejamento e uma boa economia, a jovem decidiu visitar todos os 196 países do planeta, em uma aventura que levou um ano e meio.

A façanha não saiu barata: a longa viagem custou US$ 110 mil e contou com um imprevisto, já que a jovem ficou sem dinheiro no meio de seu trajeto. A missão começou em julho de 2015 e terminou em 2 de fevereiro de 2017, com uma visita ao Iêmen. De acordo com suas contas, de Pecol embarcou em 225 voos, plantou árvores em mais de 50 países e carimbou cinco passaportes. Em cada país ela passou entre dois e cinco dias.

Esforço

Em entrevista à revista Money, a americana conta que trabalhou em dois empregos para economizar dinheiro, além de contar com investidores e patrocinadores para sua ideia. “Eu praticamente tive que desistir da minha vida social. Eu não saí ou fiz qualquer coisa”, afirma.

No meio do caminho ela teve uma surpresa nada agradável. O dinheiro economizado havia acabado, assim como o que foi recebido de patrocinadores. Sem solução para o problema, ela acabou voltando aos EUA, onde teve duas semanas. – o limite definido pelo Guiness World para a permanência em cada país – para angariar fundos e finalizar seu projeto.

“Depois dessa experiência, eu passei a ter uma planilha do Excel. Eu não sou uma pessoa de posses. Eu nunca fui boa em controlar minhas finanças, mas nessa viagem eu realmente tive que aprender a fazer isso porque eu era a única pessoa que estava no controle. Dependia de mim falhar ou conseguir”, aponta.

Deu certo. A jovem conseguiu bater o recorde mundial: se tornou a primeira mulher a conhecer o mundo todo.

Para quem quer viajar e precisa economizar dinheiro, Cassandra oferece conselhos. “É muito importante economizar 10% do seu salário. É importante guardar dinheiro para imprevistos. Eu não tinha nada e é realmente uma situação terrível não poder nem pagar uma refeição quando você está com fome”, declara.

Saiba mais sobre o projeto: