Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,48
    +0,26 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.816,20
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.963,40
    -161,54 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.045,25
    -17,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4654
    +0,0689 (+1,28%)
     

Conheça o chip consegue baixar mais do que a internet inteira em um segundo

A velocidade de transmissão de dados do chip supera em muito o recorde anterior de 1,02 Pbit/s (Getty Image)
A velocidade de transmissão de dados do chip supera em muito o recorde anterior de 1,02 Pbit/s (Getty Image)
  • Pesquisadores descobriram chip que transmite informações em tempo recorde;

  • Descoberta aconteceu por acaso durante estudo de cientistas dinamarqueses e suecos;

  • A criação utiliza luz de um único laser infravermelho para gerar frequências.

Com a possibilidade de baixar 230 milhões de fotografias em um segundo, uma nova invenção chamou a atenção da comunidade científica voltada para a tecnologia. Pesquisadores dinamarqueses e suecos conseguiram estabelecer um novo recorde mundial de transmissão de dados, atingindo 1,8 petabyte por segundo (Pbit/s), usando um único chip fotônico.

A tecnologia dispõe de quase o dobro do tráfego global da internet por segundo, sendo que um petabyte corresponde a 1 milhão de gigabytes.

Durante o experimento, os cientistas conseguiram transmitir 1,8 Pbit/s apenas pela luz de uma fonte ótica por meio de um chip personalizado. A velocidade de transmissão de dados supera em muito o recorde anterior de 1,02 Pbit/s.

A criação utiliza luz de um único laser infravermelho para criar um espectro de arco-íris. Cada cor representa uma frequência de transmissão. Cada um pode então ser isolado e usada para imprimir dados. Essas frequências têm a possibilidade de serem reagrupadas e enviadas por uma fibra ótica, transmitindo os dados.

O chip e o laser foram otimizados de forma a produzir frequência e largura de banda especificamente otimizadas para o uso de cabos de fibra óptica.

Em um comunicado, Victor Torres Company, professor da Universidade de Tecnologia Chalmers, explicou que o “objeto tem alta potência ótica e cobre uma ampla largura de banda dentro da região espectral que é interessante para comunicações óticas avançadas”.

A equipe assegura que a descoberta e desenvolvimento do chip ocorreu por acaso, uma vez que não foi concebido para o efeito. No entanto, conseguiram detectar determinados parâmetros no funcionamento que permitiu a ampliação para outras áreas.