Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,47
    -0,77 (-1,00%)
     
  • OURO

    1.740,80
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    16.156,14
    -321,64 (-1,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,92
    -1,37 (-0,36%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    27.922,71
    -240,12 (-0,85%)
     
  • NASDAQ

    11.626,75
    +10,50 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5496
    +0,0004 (+0,01%)
     

Conheça o café que custa R$ 70 mil o quilo

Café do tipo geisha é produzido em 15 países, mas o do Panamá é favorecido pela altitude acima de 1.200 metros e pelo solo vulcânico rico em minerais (Getty Creative)
Café do tipo geisha é produzido em 15 países, mas o do Panamá é favorecido pela altitude acima de 1.200 metros e pelo solo vulcânico rico em minerais (Getty Creative)
  • Quilo do café geisha foi leiloado por mais de R$ 70 mil;

  • Trata-se de um café de origem etíope e cuja planta não cresce em qualquer ambiente;

  • Outro café raro é o Black Ivory, cujo pacote de 35 gramas custa impressionantes R$ 674.

No dia 7 de setembro, um café produzido no Panamá, mais precisamente na fazenda Lamastus Family's Elida State, teve a libra do seu grão ainda verde leiloada a US$ 6.034. Em termos práticos, isso equivale a US$ 13.408 o quilo, que, convertido, passa dos R$ 70 mil.

O portal Nossa UOL visitou a fazenda para descobrir o porquê do grão desse tipo de café valer tanto. A resposta é sua origem, a partir de uma planta chamada geisha, "uma variedade rara de café, de origem etíope, que não cresce em qualquer ambiente, possui características sensoriais específicas e dá origem a um café que parece chá".

O geisha é produzido em 15 países, mas de acordo com a reportagem, o do Panamá "é favorecido pela altitude acima de 1.200 metros, pelo solo vulcânico rico em minerais, pela floresta virgem e pela posição geográfica do país, cuja curta distância entre o oceano Pacífico e o Mar do Caribe proporciona ventos em diferentes direções e amplitude térmica".

Cafés raros... e caros

Não são raros os apreciadores que gastam fortunas em versões exóticas da bebida, como por exemplo, o café Black Ivory.

Os grãos desse tipo de café se originam de um processo muito peculiar: elefantes se alimentam dos grãos de café e ficam até 24 horas com eles no organismo. Quando são finalmente defecados, esses grãos são recolhidos, processados e ganham um sabor que mistura notas de chocolate, cardamomo, tabaco e fruta.

De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, "na loja online da Black Ivory Coffee Company, um pacote de 35 gramas, quantidade suficiente para apenas quatro xícaras de espresso, custa impressionantes R$ 674".

Outro café produzido de maneira similar é o Jacu Bird. Fabricado na região do Caparaó, entre Minas Gerais e Espírito Santo, o café serve de alimento à ave jacu, fermenta ao passar pelo seu sistema digestivo e então é "devolvido". A reportagem da Folha apurou que o pacote de 100 gramas do produto sai por R$ 116,80.