Mercado fechado

Conheça as 10 ações mais sujeitas ao fenômeno que enfureceu ‘tubarões’ de Wall Street

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Fachada da GameStop. (Foto: Stephen Zenner/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Fachada da GameStop. (Foto: Stephen Zenner/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Nas últimas semanas, o mundo das finanças tem assistido ao fenômeno de um grupo de investidores de varejo nos Estados Unidos que têm pressionado grandes fundos de investimentos com uma estratégia chamada “short squeeze” (algo como “espremer os shorts”), ganhando muito dinheiro no processo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O termo “short selling” (ou “venda rápida”, em tradução livre) se refere a uma estratégia que se baseia na aposta de que uma determinada ação vai desempenhar mal.

Leia também:

E o “short squeeze” é uma aposta contra a aposta do short selling – ou seja, uma aposta de que a ação está avaliada abaixo do seu verdadeiro valor, e que tem espaço para ganhos.

No caso da GameStop, caso mais famoso que deu o início a toda a avalanche que deixou furiosos os “tubarões” de Wall Street, o short squeeze foi articulado pelo grupo “Wall Street Bets” (“Apostas de Wall Street”) no fórum digital Reddit.

Esses investidores articularam uma compra coletiva das ações da GameStop, a partir da percepção de que havia uma manipulação negativa do preço.

Acontece que, na medida em que o valor da ação sobe, pressionado pelos investidores de varejo, os que apostavam no short selling – geralmente representantes de grandes fundos bilionários – precisam comprar aquela ação, o que faz seu valor subir ainda mais.

Resumo: os “tubarões” perdem, e as “sardinhas” ganham – aos bilhões de dólares.

E a ação da GameStop não é a única que analistas acreditam sofrer com o fenômeno do “short selling”, que puxa seu valor para baixo.

A revista digital Quartz fez uma lista com as empresas com maior atividade de “short sellers” nos Estados Unidos. Os nomes das empresas estão seguidos pela porcentagem de “short interest”, que indica o sentimento negativo do mercado em relação àquela ação. Confira:

  1. Ligand Pharmaceuticals – 62.2%

  2. Bed Bath & Beyond – 61.8%

  3. fuboTV – 58.0%

  4. Macerich – 52.5%

  5. AMC – 52.5%

  6. PubMatic – 51.4%

  7. Tanger Factory Outlet – 50.6%

  8. Clovis – 40.9%

  9. Esperion Therapeutics – 39.7%

  10. iRobot – 37.5%

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube