Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.305,64
    -6,48 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Conheça a 'Tesla' das motos que promete revolucionar o mercado

Finanças Internacional
·3 minutos de leitura
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Sam Paschel, CEO da Zero Motorcycles, tem algumas ideias sobre por que sua moto elétrica, que já existe há 14 anos, é considerada a "Tesla das Motos".

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Não é só pelo fato de a Zero produzir motos elétricas supermodernas para urbanoides descolados (como a Tesla faz com os carros elétricos).

Paschel é motociclista, executivo do setor de esportes outdoor e presidente da Zero desde 2017. Em entrevista ao The First Trade, do Yahoo Finanças, ele afirmou: "Nossa marca ajudou a estabelecer essa categoria e tem um papel central nesse caminho da eletrificação, da mesma forma que a Tesla é protagonista no mercado das quatro rodas. É clara a diferença de desempenho em relação às empresas que tentam entrar no mercado, acho que esses são os fatores".

Leia também

E ainda confirmou: "Adoramos a comparação [com a Tesla], é maravilhoso".

É difícil discordar que a Zero — uma empresa de capital fechado que levantou mais de US$ 250 milhões em financiamento até hoje graças aos avanços em design e tecnologia de bateria — tem uma posição competitiva consolidada no setor de motos elétricas, que está ainda no seu estágio inicial, no máximo.

Basta ver as especificações do modelo Zero SR/S, que custa US$ 21 mil.

A moto da companhia tem muito estilo, atinge uma velocidade máxima de 200 km/h, pesa 229 kg, tem autonomia de 321 km (259 km na cidade), oferece potência de 110 hp e carrega totalmente a bateria em 80 minutos. A Livewire, da Harley-Davidson, que não teve o sucesso desejado desde o lançamento em 2019, pesa 249 kg e tem autonomia de 235 km na cidade e potência de 105 hp, com preço aproximado de US$ 30 mil.

Paschel ignorou uma pergunta sobre os erros iniciais da Harley, mas deixou clara a razão pela qual a Zero é quem está ensinando a maior concorrente.

"Posso dizer que produzir uma motocicleta elétrica de ponta não é tão simples quanto pegar um motor a combustão de uma moto comum e colocar um trem de força elétrico nele", disse Paschel. A Zero preferiu não divulgar o faturamento de 2020 para o Yahoo Finanças, mas afirmou ser campeã de vendas nos Estados Unidos entre as fabricantes de motocicleta. Tudo isso atraiu a atenção da gigante Polaris.

Por conta de um contrato exclusivo de 10 anos assinado com a Zero, anunciado no começo deste mês, a Polaris deve começar a lançar quadriciclos e motoneves elétricos em 2021. Já em 2025, a Polaris espera ter uma opção elétrica para cada uma das suas principais linhas de produto.

"A Zero provou que sabe fazer veículos elétricos", afirmou Scott Wine, CEO da Polaris, para o The First Trade .

Para o futuro, a Zero pretende desenvolver melhorias na tecnologia das baterias e mostrar para o mundo por que as motos elétricas serão o novo normal. Apesar de Paschel não descartar a possibilidade de abertura de capital, no momento essa não é a principal preocupação.

"Se tivermos bons resultados no contrato com a Polaris e no mercado, teremos muito mais opções. O que vai ditar o futuro serão as necessidades do negócio, não ideias preestabelecidas sobre abrir capital“, pontuou Paschel.

Brian Tozzi

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube