Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.519,56
    +270,52 (+0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,25
    -612,45 (-1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,59
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.809,40
    +7,90 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    17.140,23
    -79,34 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,11
    -4,14 (-1,02%)
     
  • S&P500

    3.934,38
    -29,13 (-0,73%)
     
  • DOW JONES

    33.476,46
    -305,02 (-0,90%)
     
  • FTSE

    7.476,63
    +4,46 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    19.900,87
    +450,64 (+2,32%)
     
  • NIKKEI

    27.901,01
    +326,58 (+1,18%)
     
  • NASDAQ

    11.553,00
    -92,50 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5268
    +0,0262 (+0,48%)
     

Conheça a PlantLife, o TikTok para quem ama a natureza

PlantLife - Divulgação
PlantLife - Divulgação
  • Nova rede social quer combater a toxicidade atrelada às demais redes de relacionamento online

  • Por enquanto, a novidade somente está disponível para iOS

  • Rede funcionará como um local de inspiração, fórum de ajuda, e lugar para fazer amigos.

Com o objetivo de ser uma alternativa à toxicidade das demais redes sociais, a PlantLife foi criada por dois antigos executivos da Nike e da Apple, Leslie Mullins e Taylor Vignali, e pela paisagista Lana Pappas, a rede social PlantLife. Por enquanto, o aplicativo só esta disponível para iOS.

Focada na criação de plantas, a rede tem um design parecido com aquele difundido pelo TikTok, com uma barra de rolagem vertical.

Através dela, o usuário pode descobrir diversas pessoas, amadoras ou profissionais, compartilhando fotos e vídeos de suas criações, dando dicas de plantio e crescimento, além de servir de inspiração para seus próprios jardins.

Além disso, o usuário também pode pesquisar por uma planta específica no banco de dados do aplicativo, que ainda é limitado. Ao fazer isso, será disponibilizado uma página com diversas instruções de cuidado. O aplicativo também funciona para que usuários troquem experiências e tiram dúvidas um dos outros.

Leia também:

Um dos grandes diferenciais da rede pode ser visto já na hora de realizar o cadastro. Além de informações básicas como nome e e-mail, o aplicativo também pede que você tire fotos suas e de suas plantas, identificando-as pela espécie, idade e nome dado por você.

Também são feitas perguntas sobre você e que tipo de conteúdo quer ver. Jardinagem? Sustentabilidade? Acampamentos? Paisagismo? Quais seus tipos de plantas, externas ou internas? Você é iniciante na horticultura ou já tem um nível mais avançado?

Diferentemente das outras redes sociais, que incentivam o usuário a ficar mais e mais tempo na plataforma, a PlantLife quer que o usuário saia e viva a natureza.

“Eu diria que queremos atrair a todos de uma forma muito honesta e transparente”, disse Mullins. “A cultura que estamos tentando criar é indicativa de plantar pessoas… promovendo uma positividade que esperamos que se espalhe por esta comunidade.”

Planos para o futuro

Sua aposta, no entanto, não parece muito arriscada. Isso porque cerca de 70% dos millennials afirmam ser “mães e pais de plantas”, ou seja, há um grande mercado a ser explorado pela empresa.

A PlantLife já divulgou sua estratégia de chamar "plantfluencers", influenciadores do setor de plantas, para a plataforma e atrair usuários. Esses influenciadores também poderiam liderar clubes mais específicos, sobre algum determinado nicho da horticultura, de uma planta específica, ou de um modo de vida.

A empresa também quer trazer pequenos negócios para dentro da empresa, criando lojas virtuais e quebrar o monopólio das mega corporações.

“Existem muitas dessas pequenas growshops por aí que não têm comércio eletrônico”, disse Mullins. “Portanto, queremos ter certeza de que também estamos usando [a PlantLife] como um componente para reduzir a exclusão digital dentro desta indústria”.

Com informações do portal Smoke Buddies.