Mercado fechado

Cerveja brasileira une sabor, metaverso e NFTs

·2 min de leitura
Cerveja
A criação é de Paulo Aragão, cofundador do Criptofácil, e Rafael Steinfeld, empresário e advogado no ramo de criptoativos

(Getty Images)

  • CriptoBeer é a primeira cerveja brasileira que une mundo físico, metaverso e NFTs;

  • Novidade será lançada até o final de abril;

  • Cada lata possui uma etiqueta holográfica que atesta sua exclusividade.

Os amantes de cerveja e criptomoedas podem celebrar, pois vem aí a primeira cerveja brasileira que une mundo real, metaverso e NFTs. Trata-se da CriptoBeer, prevista para ser lançada até o final de abril deste ano.

Cada cerveja de 473 ml conta com uma etiqueta holográfica com a identificação da edição, tema e número da lata. As características atestam a originalidade do produto e dão exclusividade às latas, conforme relatado pela MoneyTimes.

As edições ainda contam com rótulos exclusivos e limitados e com NFTs que podem ser usados, trocados ou negociados. A criação é de Paulo Aragão, cofundador do Criptofácil, e Rafael Steinfeld, empresário e advogado no ramo de criptoativos.

“A cerveja nasceu com o propósito de homenagear a criação da evolução do sistema financeiro global proporcionada pelas criptomoedas, em especial, pelo bitcoin (BTC)”, destaca Aragão ao portal.

Steinfeld acrescenta: “Apesar de entusiastas da criptoeconomia e do metaverso, nós também prestigiamos o mundo físico. Então, nada melhor do que tomar uma cerveja numa roda de amigos e ainda assim ter experiências com NFT e metaverso”.

A CriptoBeer é uma cerveja IPA e, conforme aponta Aragão, “produzida por uma renomada cervejaria tipicamente brasileira”. A novidade já conta com site e Instagram com algumas informações e contagem regressiva para o lançamento oficial.

Ambev de olho nos NFTs

No ano passado, a cervejaria que também entrou no universo dos NFTs foi a Goose Island, pertencente à Ambev. A empresa anunciou o lançamento da safra 2020 de sua Bourbon County Stout em uma ação que utiliza os famosos tokens não-fungíveis, marcando sua entrada no universo dos criptoativos.

A cerveja é produzida uma vez por ano e já foi eleita a melhor do mundo no World Beer Cup. Maturada em barris de whisky Bourbon, é definida pela Goose Island como seu “rótulo mais aguardado”.

Foram disponibilizadas 100 unidades dos NFTs no Brasil e, quem as garantiu, recebeu um NFT do rótulo. A venda da cerveja, que custa R$ 180, foi realizada na própria plataforma, em uma página exclusiva da empresa.