Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,08
    -0,26 (-0,28%)
     
  • OURO

    1.803,60
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    24.098,51
    +221,74 (+0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,13
    -1,61 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.319,75
    +8,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3264
    +0,0800 (+1,52%)
     

Conheça 5 startups fundadas por mulheres negras

Apenas 3% das mulheres negras ocupam cargos de chefia e gerência em empresas brasileiras. Foto: Getty Creative.
Apenas 3% das mulheres negras ocupam cargos de chefia e gerência em empresas brasileiras. Foto: Getty Creative.
  • A maior parte da população desempregada (46%) e com os menores rendimentos mensais são negras;

  • As startups fundadas por pessoas negras ou pardas recebem menos investimentos: apenas 32% receberam aportes;

  • Mulheres negras fundadoras de startups promovem mudanças no ecossistema de inovação.

A desigualdade racial no mercado de trabalho ainda é latente, e mesmo com avanços e conquistas nos últimos anos, os números escancaram um abismo. Apesar de 56% da população brasileira se autodeclarar negra, de acordo com o IBGE, apenas 3% de homens e mulheres negras ocupam cargos de chefia e gerência.

O desemprego e a crise econômica durante a pandemia de coronavírus também foi mais sentida entre os negros. De acordo com o relatório “Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira em 2021” divulgado pelo IBGE, a maior parte da população desempregada (46%) e com os menores rendimentos mensais são negras.

No ecossistema de inovação os dados também ainda são pouco igualitários. As startups fundadas por pessoas negras ou pardas recebem menos investimentos: apenas 32% receberam aportes para impulsionar suas empresas, enquanto 41% das startups fundadas por pessoas brancas receberam investimentos. Os dados são do estudo BlackOut: Mapa das Startups Negras elaborado pela hub de inovação BlackRocks Startups em parceria com a Abstartups (Associação Brasileira de Startups).

Com o objetivo de transformar esse cenário e trazer mais diversidade, algumas iniciativas foram criadas recentemente para fomentar esse ecossistema. Em 2020 foi lançado o Black Founders Fund, projeto do Google for Startups que investe em negócios liderados ou fundados por pessoas negras. O fundo da gigante de tecnologia começou com R$ 5 milhões e recentemente anunciou R$ 8,5 milhões em recursos adicionais. No total, 33 startups foram apoiadas pela iniciativa, sendo 48% lideradas por mulheres negras.

A seguir, conheça mulheres negras - apresentadas pelo portal Startups - responsáveis por fundar empresas e promover mudanças no ecossistema de inovação:

  1. Caroline Moreira - Negras Plurais

  2. Lettycia Vidal - Gestar

  3. Nina Silva - D’Black Bank

  4. Taynara Alves - InQuímica

  5. Priscila Gama - Malalai

Caroline Moreira - Negras Plurais

Caroline Moreira fundou em 2018 a Negras Plurais, startup de aceleração de aceleração para mulheres negras. A empresa organiza mentorias, workshops, encontros para trocas de informações e gerações de ideias e palestras que buscam estimular a auto-estima e o protagonismo dessas mulheres.

Foi eleita pela revista Forbes uma das 5 startups de mulheres negras que as pessoas precisam conhecer.

Lettycia Vidal - Gestar

Durante a faculdade de publicidade, Lettycia Vidal fez um de doula e seu trabalho de conclusão de curso unia os dois temas. A partir disso, Vidal criou o projeto Gestar, startup que conecta famílias e gestantes a profissionais de saúde que atuam de forma humanizada.

A femtech auxilia desde quem está tentando engravidar até as famílias na 1ª infância da criança. Os usuários podem acessar conteúdos, agendar consultas com profissionais de abordagem humanizada e entrar para uma comunidade de acolhimento com mais de quase 6 mil pessoas. A startup ganhou o selo Shell Iniciativa Jovem Empreendimento Sustentável 2020, participou da aceleração da B2Mamy Powered by Google Launchpad e desde o ano passado faz parte do Black Founders Fund, do Google for Startups.

Nina Silva - D’Black Bank

Eleita a mulher mais disruptiva do mundo pelo Women in Tech Global Awards 2021, Nina é fundadora e diretora-executiva da fintech D’Black Bank, que conecta consumidores a empreendedores negros por meio de serviços financeiros digitais. A empreendedora também fundou o Movimento Black Money, para estimular o consumo e a prestação de serviço entre pessoas negras a fim de impulsionar os negócios e fortalecer a circulação de recursos financeiros na comunidade.

Executiva da área de tecnologia há mais de 20 anos, Nina foi eleita uma das 100 pessoas afrodescendentes mais influentes do mundo com menos de 40 anos pela Mipad (Most Influential People of African Descent), chancelado pela ONU, em 2018, e hoje faz parte do conselho da startup Lady Driver e da Wishe Women Capital, hub de investimento focado em startups fundadas por mulheres.

Taynara Alves - InQuímica

Em 2017, motivada a usar a ciência para solucionar alguns dos problemas que afetam a sociedade, Taynara Alves criou a InQuímica, com sede em São Paulo. A startup desenvolveu o produto InAgro, que promete retirar até 85% dos metais pesados de frutas, verduras e legumes, provenientes da utilização de agroquímicos, defensivos agrícolas, solos contaminados e fertilizantes químicos.

A empresa passou pelas acelerações da Emerge Labs, que apoia startups de base científica; BlackRocks Startups, de fomento a projetos de empreendedores negros; e Artemísia, iniciativa para negócios de impacto social que injetou R$ 20 mil na empresa. Em 2019, Taynara foi eleita um dos 20 jovens brasileiros inspiradores pela consultoria global McKinsey & Company.

Priscila Gama - Malalai

Priscila Gama é a fundadora da Malalai, startup de Belo Horizonte que desenvolve tecnologias para a segurança pessoal feminina. Entre as soluções, estão um app que mostra as rotas mais seguras, com base na movimentação, comércios abertos, policiamento próximo e ocorrências de assédio no local, e permite que as usuárias compartilhem um trajeto com alguém.

A companhia também criou um anel que com apenas um toque ativa o celular e envia um alerta com a localização para os contatos de emergência. A iniciativa foi reconhecida pelo prêmio Creator Awards, da WeWork, o Startup Games, competição organizada pelo Consulado Britânico durante os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, e o Trip Transformadores, realizado pela revista Trip e a companhia aérea Gol.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos