Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.726,85
    -909,54 (-0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.099,64
    -395,77 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.867,90
    +27,70 (+1,51%)
     
  • BTC-USD

    35.263,14
    +863,16 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    699,59
    -1,02 (-0,15%)
     
  • S&P500

    3.855,08
    +56,17 (+1,48%)
     
  • DOW JONES

    31.173,16
    +242,64 (+0,78%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.313,75
    +328,25 (+2,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4283
    -0,0703 (-1,08%)
     

Conheça os óculos de realidade mista que são tudo o que Google Glass queria ser

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

Depois que o Google Glass acendeu a faísca, diversos outros óculos de realidade mista (que mesclam realidade virtual com realidade aumentada) começaram a aparecer no mercado. Tivemos o Hololens, da Microsoft; o Quest, da Oculus; e até mesmo o Vive, da HTC. Agora, temos uma grata surpresa — um novo headset bem interessante projetado por uma startup “desconhecida”. Estamos falando do Voyager.

Diferente dos dispositivos citados (que focam seu propósito em entretenimento com jogos eletrônicos ou aplicações profissionais), o Voyager foi projetado para fins turísticos, ajudando a conhecer novas cidades ou até mesmo outros países. Uma vez pareado com seu smartphone, ele é capaz de oferecer uma série de recursos bem legais para quem gosta de exploração urbana.

Você pode “dar um rolê” visualizando as direções para seu hotel ou algum ponto turístico, obter recomendações de locais interessantes para ir, tirar fotos com a câmera integrada, realizar uma chamada de vídeo e assim por diante. O mais bacana é que é possível interagir com os elementos virtualizados “tocando” neles, como se fossem reais, o que torna a experiência ainda mais bacana.

<em>Imagem: Divulgação/Voyager</em>
Imagem: Divulgação/Voyager

Outro diferencial do Voyager é que, visto que as imagens são exibidas em uma lente transparente (como em um par de óculos normal), sua visão não é obstruída durante o uso do gadget. Aliás, ele possui um visual bem discreto — ninguém ficará lhe encarando por estar com um headset futurista na cabeça — e pode ser combinado inclusive com um capacete estilo retrô para completar o visual “motociclista vintage”.

Infelizmente, por mais que o produto pareça bem interessante, o Voyager não será vendido ao público. A ideia é que ele seja adquirido por agências de turismo ou de locação de veículos (sejam carros, motos ou scooters elétricas), facilitando a exploração de cidades turísticas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: