Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.469,80
    -839,30 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Conheça o TCL Chicago, celular dobrável flip que você não poderá comprar

·3 minuto de leitura

Parece que o Galaxy Z Flip 3 não era o único smartphone flip previsto para chegar ao mercado no segundo semestre de 2021. A TCL tinha planos de lançar um celular com o mesmo formato — e mais barato. Porém, desistiu da ideia e nos dá apenas uma demonstração do que poderíamos ver nas prateleiras.

Apelidado de Chicago, o smartphone também se desdobra para apresentar uma tela completa, e conta com display externo. O que mais o diferencia visualmente do Galaxy Z Flip 3 é o alinhamento vertical de câmera e tela extra. Por dentro, o hardware não seria o de um flagship, o que ajudaria a colocá-lo em um patamar de preço mais atrativo ao público geral.

O dobrável demonstrado tem um Snapdragon 765G — mesmo usado pela Motorola no Razr 5G —, 6 GB de memória RAM, carregamento de 18 W para a bateria de 3.545 mAh e tela interna flexível AMOLED de 6,67 polegadas e resolução Full HD+. Suas câmeras seriam de 48 MP (principal), 16 MP (ultrawide) e 44 MP (frontal). O display externo mede 1,1 polegada, mesmo tamanho usado pela Xiaomi na tela traseira do Mi 11 Ultra.

A título de comparação, o Galaxy Z Flip 3 tem o Snapdragon 888, 8 GB de RAM, carregamento de 15 W, tela de 6,7 polegadas também Full HD+ e taxa de atualização máxima de 120 Hz. Suas câmeras têm 12 megapixels (principal e ultrawide), com frontal de 10 MP. A tela externa mede 1,9 polegada.

Algo que se mostraria uma vantagem para o TCL Chicago seria seu preço: estimativas o colocam como celular com precificação de US$ 800. Seriam US$ 200 a menos do que a Samsung pede pelo seu novo smartphone flip, na versão mais básica. A empresa, porém, desistiu do lançamento comercial por uma série de fatores.

Incapaz de competir

Um problema para a sobrevivência do TCL Chicago, em um mercado no qual o Galaxy Z Flip 3 acabara de ser lançado, seria a falta de força em marketing. Além disso, a história da companhia é mais curta que a da sul-coreana, e por preços não tão distantes assim, haveria uma preferência clara por parte do público.

A TCL também cita a falta de parcerias com operadoras. Em alguns mercados cruciais, como os EUA, é essencial para a estratégia da fabricante vender através das empresas de telecomunicações. Some aos motivos, ainda, a escassez no mercado de semicondutores, forçando a empresa a optar por jogar seguro usando os estoques de chips em celulares com desafios menores de mercado.

O TCL Chicago parece um modelo intermediário entre o Galaxy Z Flip original e o Z Flip 3 (Imagem: Reprodução/MRMobile [Michael Fisher])
O TCL Chicago parece um modelo intermediário entre o Galaxy Z Flip original e o Z Flip 3 (Imagem: Reprodução/MRMobile [Michael Fisher])

TCL não desiste da ideia — para o futuro

A empresa, porém, não deve desistir da ideia: a TCL apresenta protótipos de dobráveis já há alguns anos, e o Chicago seria o seu primeiro lançamento comercial. Agora, a fabricante pretende aprimorar processos, promover melhorias de hardware, e tornar isso tudo mais barato para fazer frente a rivais mais consolidados.

Evitando esse lançamento arriscado, a TCL pode estar se preservando de repetir o que aconteceu à Motorola. Os Razr 2019 e Galaxy Z Flip chegaram ao mercado à mesma época, e na mesma faixa de preço. A Samsung entregou um produto de mais performance e melhor construção, o que levou a marca da Lenovo a fazer cortes enormes de preço e até vender dois celulares ao preço de um para recuperar vendas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos