Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.229,18
    -369,11 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Conheça o B-250, caça-leve brasileiro concorrente da Embraer

·2 min de leitura

A Novaer, fabricante brasileira de aeronaves, em parceria com a Calidus, um fundo de investimentos com sede em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, mostrou pela primeira vez uma versão finalizada do novíssimo B-250, um caça-leve desenvolvido em solo nacional e que pode ser o próximo concorrente do já bem-sucedido Super Tucano, que há anos é uma das estrelas da Embraer.

A aparição do avião aconteceu durante a Dubai Air Show, exposição onde foi anunciado há quatro anos e que, agora, ganha vida para tentar atrair mais clientes. Para isso, o B-250 conta com uma estrutura moderna, segura e bem equipada, sendo uma das poucas aeronaves do seu segmento a ser feita 100% com fibra de carbono, o que facilita para a diminuição do peso e execução de manobras.

Em termos de design, o B-250 conta com 12,10m de envergadura, 10,90m de comprimento e sete locais destinados para armamentos, com capacidade máxima de carga de 1.800kgs. Com tais números, o B-250 se coloca como um grande concorrente do Super Tucano, da Embraer, que é um pouco menor do que o modelo da Novaer. Os motores do modelo apresentado em Dubai, aliás, são fornecidos pela conhecida fabricante do setor, a Pratt & Whitney.

(Imagem: Divulgação/Novaer)
(Imagem: Divulgação/Novaer)

O foco operacional do B-250 será mais voltado à vigilância e comandos estratégicos, como apoio aéreo aproximado, apoio aéreo persistente, treinamento de pilotos e reconhecimento de território. Para isso, ele terá a ajuda de um cockpit bem avançado, munido de um suíte de aviônicos da Rockwell Collins, assentos ejetáveis que podem ser acionados tanto no solo quanto no ar e radares potentes.

Atualmente, apenas o governo dos Emirados Árabes Unidos fez encomendas dessa aeronave, que conta, além do financiamento árabe, com recursos do Governo Federal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos