Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.754,50
    +427,27 (+0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Conheça a empresa por trás da influenciadora virtual inspirada em Sabrina Sato

·2 min de leitura

Todo mundo ficou sabendo da Satiko, influenciadora virtual inspirada na apresentadora e empresária Sabrina Sato, lançada na segunda-feira (22). Mas pouco se falou da Biobots, a startup fundada pelo empreendedor Ricardo Tavares e responsável pelo novo avatar.

O lançamento da Meta, a nova empresa dona do Facebook, também está impulsionando um conceito de internet chamado metaverso, com mais representações em realidade virtual. Por isso o mercado de avatares digitais — que no Brasil teve a Lu da Magalu, do Magazine Luiza, como uma das pioneiras — também deve crescer bastante. A Satiko é mais um exemplo disso.

De acordo com o Pequenas Empresas Grandes Negócios, a Biobots pretende se tornar a principal agência de publicidade de avatares digitais do Brasil. Seu trabalho será a confecção dos personagens, a produção de conteúdo e a negociação de contratos envolvendo influenciadores. Ela chegou a levantar R$ 20 milhões e conseguiu abrir escritório nos Estados Unidos e parcerias em Portugal, mas não revelou as empresas investidoras.

O avatar de Sabrina Sato foi foi o primeiro da empresa, e sua produção aconteceu usando parte do investimento recebido. A startup calculou um tempo médio de 60 a 90 dias para concluir um personagem digital. “Um avatar comum muitos conseguem fazer, mas nosso objetivo é chegar em um nível de detalhe que demanda mais tempo”, diz Ricardo Tavares ao site.

Além de precisar de um briefing detalhado do cliente, a startup encara alguns desafios no processo, como o desafio tecnológico e a pouca mão de obra especializada. “São poucos profissionais espalhados pelo mundo. Apostamos que será uma carreira crescente no futuro”, explica o empreendedor, que também disse ter contratos avançados com outros influenciadores do mundo real para ganharem versão digital, mas ainda não pode revelar os nomes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos