Mercado abrirá em 41 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,09
    -1,30 (-3,48%)
     
  • OURO

    1.878,70
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    13.123,84
    -39,55 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,45
    -13,24 (-4,85%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.601,39
    +18,59 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.229,25
    +96,50 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7190
    -0,0154 (-0,23%)
     

Conheça duas mulheres que trabalham no desenvolvimento da estação Gateway

Danielle Cassita
·2 minutos de leitura

A NASA tem planos ambiciosos para levar a primeira mulher e o próximo homem para a Lua em 2024 e estabelecer missões sustentáveis por lá até 2028, por meio do programa Artemis. Para isso, será essencial ter o apoio da estação Gateway, que será uma espécie de ponto de apoio permanente na órbita Lua. Para que tudo isso saia do papel, existe uma equipe trabalhando incansavelmente nos bastidores.

A engenheira Sharada Vitalpur é uma dessas pessoas: desde pequena, ela se interessava por matemática e solução de problemas. Essa paixão a direcionou para a graduação e mestrado em engenharia elétrica, com foco em sistemas de comunicação. Pouco depois de se graduar, ela recebeu uma oportunidade para se mudar para Houston e trabalhar no Johnson Space Center, da NASA. Agora, ela atua como gerente de sistemas da estação Gateway.

Sharada Vitalpur (Imagem: Reprodução/NASA)
Sharada Vitalpur (Imagem: Reprodução/NASA)

Em linhas gerais, o trabalho de Vitalpur garante que o design, desenvolvimento e performance dos diferentes sistemas de comunicação e rastreio estejam de acordo com necessidades das missões da Gateway e Artemis. “Trabalhei com o programa Gateway desde sua concepção. Definir a arquitetura, capacidades e vê-lo se desenvolver até onde estamos, que é na construção dos sistemas, me dá uma satisfação imensa”, diz ela. Além do trabalho com a agência espacial, ela também atua no projeto Destination Imagination, uma iniciativa global educativa sem fins lucrativos que combina o trabalho em equipe, a criatividade e solução de problemas com ferramentas comuns para crianças.

Já Lindsey Ingram, mestre em gerenciamento de engenharia, teve seu primeiro contato com a exploração espacial com uma oportunidade que surgiu no Marshall Space Flight Center, da NASA, indicada a ela por professores. Hoje, ela é a vice-gerente em exercício e gerente de programa, planejamento e controle do Habitation and Systems Development Office, da Gateway. Isso significa que ela é a líder de todas as iniciativas relacionadas à habitação no espaço, incluindo o programa Gateway e outros trabalhos de habitat, como os de superfície.

Lindsey Ingram (Imagem: Reprodução/NASA)
Lindsey Ingram (Imagem: Reprodução/NASA)

Ela explica que, como muitas pessoas, sempre quis fazer parte da geração que vai levar a primeira mulher e o próximo homem para a Lua. “Para mim, é aqui que nós aprendemos a engajar parceiros internacionais e comerciais, além de garantir que estamos fazendo tudo com eficiência”, diz. Essa é uma forma de garantir o sucesso da missão e da próxima geração inspirada pela NASA e pela exploração espacial. A estação Gateway ficará em órbita à volta da Lua, e será o ponto que irá fornecer apoio vital para a presença humana sustentável e de longo prazo para a volta ao nosso satélite natural, além de ser também uma espécie de parada para missões no espaço profundo. Futuramente, os parceiros da Estação Espacial Internacional (ISS) irão fornecer contribuições importantes para a Gateway, como habitações adicionais e outras melhorias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: