Mercado fechado

Conheça 5 produtos tecnológicos "exóticos" que você encontra na Ásia

Se Hyeon Oh

Quando falamos de tecnologia, a Ásia é um dos continentes que mais se destacam neste ramo, tendo países como a Coreia do Sul, Japão e China, que são o berço de inúmeras multinacionais gigantes. Além disso, a região possui características históricas, geográficas e culturais bastante diferentes do Brasil, dando vazão para a criação de produtos que não podemos ver facilmente aqui nas terras tupiniquins.

Dessa forma, considerando que existem aparatos um tanto “exóticos” mundo afora, o Canaltech separou alguns dos produtos tecnológicos mais interessantes que não são encontrados aqui no Brasil, mas que, caso esteja a viajar para a Ásia, vale a pena conferir — com um enfoque na Coreia do Sul.

Hot Pack

A Coreia do Sul é um país de clima bem temperado, tendo as quatro estações do ano muito bem definidas. Ou seja, os verões são extremamente quentes, beirando os 40 °C, e os invernos são bem frios, com temperaturas negativas e que possibilitam a neve. Quem já experimentou o frio de lá sabe como uma pequena fonte de calor pode ser um grande salva-vidas — e é nesse contexto que surgiu o Hot Pack.

Ele é uma pequena bolsa, do tamanho da palma de uma mão, que contém uma solução composta de pó de ferro, carvão ativado, sal e outros líquidos. À medida em que a pessoa retirar o selo e for amassando a bolsa, inicia-se uma reação química que começa a gerar calor, pelo qual as pessoas podem esquentar os seus corpos durante o frio.

Caso esteja curioso sobre como se dá esse processo, a POSCO, uma das maiores produtoras de aço do mundo, explica que, no momento em que o usuário retira o lacre de segurança e gera movimento, os pós de ferro acabam entrando em contato com o ar e começam a reação de oxirredução, consequentemente gerando o calor.

De certa forma, este item pode não parecer tão tecnológico assim, mas quem estiver na Coreia e quiser viajar para o sul do Brasil ou para outros locais do mundo que sejam gélidos, vale a pena dar uma passada pelas lojas de conveniência do país e comprar alguns destes pacotes, que variam de R$ 0,50 a R$ 4,00. Vale notar que eles são produtos tão básicos quanto o papel higiênico e a escova de dente na Coreia, de forma que o modo mais fácil de se conseguir esses produtos é indo para as lojas de conveniência.

Imagem de um Hot Pack, usado para aquecer o corpo em dias de frio (Imagem: momo1470)

Lixeira inteligente

Uma das verdades universais deste mundo é que todo mundo possui uma lixeira ou pelo menos algum recipiente para jogar fora o lixo. Apesar de ser bastante prática, a parte mais chata da lixeira é que, em algum momento, você terá de trocar o saco contendo todos os seus descartes — que, convenhamos, costuma ser bastante sujo e fedido. Seria muito bom se pudéssemos trocar esses sacos sem precisarmos tocar neles, não é? Foi pensando exatamente nisso que a Xiaomi criou a lixeira inteligente — de uma forma um pouco mais específica, ele é um produto da Townew, criada a partir de uma plataforma de crowdfunding da Xiaomi.

Com um design limpo e de fácil manuseio, o produto da chinesa possui um sensor em seu interior que identifica o volume armazenado. No momento em que o limite for atingido, ele lacra o saco de lixo automaticamente e o deixa preparado para descarte, não precisando de nenhuma intervenção do usuário. O processo é finalizado com a inserção de um novo saco de lixo, algo também feito automaticamente pela lixeira. É claro que, caso a pessoa deseje, pode acionar o mecanismo de troca manualmente, apertando um botão que se encontra na parte de fora do equipamento.

Um ponto interessante é que até mesmo a abertura e o fechamento da tampa são feitos de forma que o contato físico não seja necessário. Isso porque outro sensor localizado na tampa identifica a aproximação da mão do usuário e abre a tampa.

O único empecilho neste produto é que ele precisa ser recarregado com cartuchos de saco específico da Townew. De acordo com a empresa, cada cartucho permite a utilização da lixeira por aproximadamente 1 mês. Caso esteja planejando viajar para a China, talvez a aquisição do Townew possa ser bastante interessante, já que, ao desembolsar de R$ 70 a R$ 170, não precisará mais tocar na sujeira dos lixos.

Separamos um link pela qual pode encomendar o produto caso esteja na Coreia:

Assento sanitário inteligente

A ida ao “trono” é um momento íntimo que usamos para atender às necessidades biológicas. Contudo, apesar de ser bastante aliviador, o processo de limpeza “pós-excreção” pode ser um tanto chato e, para algumas pessoas, nojento. Para facilitar a vida desse público, o mercado asiático conta com assentos de privada inteligentes, que limpam e secam os orifícios excretores com facilidade.

O produto se estabeleceu há muito tempo no oriente, podendo ser encontrado a preços que variam de R$ 400 a mais de R$ 1.000, e contam com várias funções que podem ser ativadas através de botões. O mais clássico e o mais utilizado é a “limpeza”. No momento em que o usuário clicar nesta opção, um jato, que normalmente fica escondido no interior do assento, é acionado e lança um fio de água que limpa toda a sujeira do corpo. Ah, a intensidade do jato da água também pode ser controlada, para que se adeque às necessidades do usuário.

A próxima opção se chama “secagem” e, assim como o próprio nome sugere, aciona um jato de ar quente que seca toda a água residual deixada pela “limpeza”. O conceito é semelhante ao de um secador de cabelos. Considerando que o corpo feminino é diferente do masculino, há também a função de “limpeza frontal”, que funciona semelhantemente à “limpeza”, mas voltada para o sistema urinário das mulheres.

Quem se aventura na utilização da privada nas madrugadas de dias frios sabe como pode ser desagradável a sensação de se sentar uma superfície gélida. É para evitar esse tipo de situações que o assento inteligente possui também a função de controle de temperatura, que regula o nível de calor de acordo com as exigências climáticas.

Nas pesquisas realizadas pelo Canaltech, foi verificado que, no Brasil, o site da Amazon até possui à venda um produto do tipo, mas os seus valores ultrapassam os R$ 2.200, não sendo muito atrativos. Caso tenha se interessado pelo equipamento, ele pode ser facilmente encontrado em lojas de construção ou em grandes varejos tais quais o Carrefour, mas se estiver viajando pela Ásia de repente encontra preços mais atraentes — ainda que o transporte pra o Brasil seja um empecilho.

No caso da Coreia, o site Naver oferece uma lista de produtos e seus respectivos preços para que possa comparar e realizar a compra.

Imagem do assento sanitário inteligente, com um conjunto de botões na lateral e o mecanismo de jato localizado abaixo do equipamento (Imagem: TLA Story)

Fechadura com destravamento por veia

A segurança é uma questão séria na Coreia do Sul e o país conta com diversos dispositivos e mecanismos que protegem a integridade das pessoas. Prova disso é o fato de que a maioria das residências possuem a fechadura eletrônica (destravamento por senhas ou por impressões digitais) como método para abrir as portas de suas casas.

Mais recentemente, a empresa ZKTeco desenvolveu uma tecnologia que permite a liberação da fechadura por meio da leitura de veias, entregando mais uma solução de segurança aos residentes da Coreia do Sul.

Considerando que a maioria das fechaduras utilizadas nas portas coreanas são destravadas por meio de senhas, a empresa explica que, diferentemente das senhas, o padrão de veias não pode ser copiado ou replicado, de forma que é muito mais seguro e permite uma privacidade extra aos seus consumidores.

Assim como o seu nome já entrega, o seu funcionamento se dá por meio de um sensor que identifica os padrões das veias dos seus usuários, e o equipamento conta com recursos de conexão por wi-fi para que os usuários possam gerenciar toda a informação. O produto pode ser encontrado em lojas de construção, e-commerce do país ou pelo próprio site da empresa, podendo ser adquirido por preços que variam de R$ 780 a R$ 1,800.

Exemplo de uso da fechadura de destravamento por veia da ZKTeco (Imagem: Donghun)

Máscara de LED

Na Coreia do Sul, existem inúmeras lojas de cosméticos e métodos de tratamentos de pele para que as pessoas possam manter a saúde de suas cutis em dia.

A máscara de LED se junta a essa grande leva de soluções de tratamento e vem para substituir as já tradicionais máscaras umedecidas, que podem ser utilizadas apenas uma vez. De acordo com o jornal sul-coreano de saúde Health & Life, o conceito por trás do dispositivo está em lançar várias luzes LED diretamente na pele, fazendo com que seja estimulada a geração de colágeno. Além disso, as emissões de luz fazem com que as células recebam mais energia, gerando um maior fluxo sanguíneo e, consequentemente, o conjunto todo auxilia na melhoria das rugas, combate à acne, melhoria na coloração da pele e na saúde da cutis, em geral.

Como todo bom LED, a máscara conta com três cores de iluminação (azul, amarelo, vermelho), onde cada um possui um efeito específico. O azul consegue entregar resultados bactericidas, sendo ideal para o tratamento da acne, das manchas e no clareamento. O amarelo possui o efeito de estimular o colágeno, melhorando a elasticidade. Por fim, o vermelho age como um anti-inflamatório e cicatrizante, sendo efetivo no tratamento de lesões.

Esse produto pode ser encontrado em lojas de produtos de beleza, em sites de e-commerce ou em sites de próprias fabricantes, tais quais a Cell Return ou a LG. Infelizmente, o preço dele é um pouco salgado, variando entre R$ 2.000 a mais de R$ 6.000 reais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: