Mercado fechará em 1 h 47 min
  • BOVESPA

    95.522,17
    +153,41 (+0,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.939,45
    -454,26 (-1,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,86
    -1,53 (-4,09%)
     
  • OURO

    1.868,70
    -10,50 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    13.505,99
    +350,62 (+2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,63
    +22,95 (+9,46%)
     
  • S&P500

    3.297,46
    +26,43 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    26.548,79
    +28,84 (+0,11%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.328,50
    +195,75 (+1,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7274
    -0,0070 (-0,10%)
     

Congresso só deve ter nova sessão para análise de vetos e projetos em novembro

Por Maria Carolina Marcello
·2 minutos de leitura
.
.

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O Congresso Nacional só deve ter nova sessão para a análise de vetos presidenciais e projetos no dia 4 novembro, segundo previsão combinada em reunião de líderes de bancada na manhã desta terça-feira com o presidente do Legislativo, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Algumas polêmicas cercam a análise de negativas presidenciais a decisões do Congresso, caso da que prorrogou por mais um ano a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e também de vetos à atualização da legislação sobre o saneamento básico no país.

A manutenção do veto às desonerações é considerada impopular pelos parlamentares, já no clima das eleições municipais de novembro. Argumentam que uma retirada dos incentivos já a partir do próximo ano pode implicar no aumento do desemprego.

Mas sua derrubada, e a consequente prorrogação até o fim de 2021, teria impacto nas contas públicas. Caso o veto seja rejeitado, será mantida a substituição, pelos empregadores, do pagamento da contribuição previdenciária de 20% sobre os salários por uma alíquota de 1% a 4,5% da receita bruta, beneficiando especialmente setores intensivos em mão de obra.

A discussão sobre as desonerações estava atrelada às negociações do governo sobre a reforma tributária. O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), chegou a declarar em entrevista que o Executivo estudava uma desoneração mais ampla, e que para isso, seria necessária a criação de um novo imposto, semelhante à extinta CPMF.

As sugestões do governo para a reforma tributária esbarraram, no entanto, na falta de votos entre aliados, e seguem em discussão.

CALENDÁRIO APERTADO

O líder do PSL no Senado, Major Olimpio (PSL-SP), alertou para o risco de, caso não seja realizada a sessão do Congresso em 4 de novembro, faltar tempo para a análise de vetos e projetos na pauta.

"O calendário apresentado hoje no colégio de líderes, que será cumprido pelo Congresso Nacional, me preocupou demais", disse o senador em vídeo distribuído por sua assessoria.

Ele lembrou que além dos vetos, há projetos na pauta que permitem a utilização de recursos pela própria União.

"Se por acaso não der quórum na sessão no dia 4, dificilmente nós teremos calendário para apreciar esses vetos e as votações ainda neste ano. Pode ser muito ruim esse calendário", afirmou.