Mercado fechará em 10 mins
  • BOVESPA

    106.324,79
    -1.410,22 (-1,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.864,59
    -155,46 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,77
    +1,27 (+1,54%)
     
  • OURO

    1.795,80
    +13,90 (+0,78%)
     
  • BTC-USD

    60.764,12
    -2.083,84 (-3,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.449,19
    -53,85 (-3,58%)
     
  • S&P500

    4.549,40
    -0,38 (-0,01%)
     
  • DOW JONES

    35.732,03
    +128,95 (+0,36%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.365,25
    -113,50 (-0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5831
    +0,0021 (+0,03%)
     

Congresso resiste a projeto de Bolsonaro que facilita disseminação de fake news

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Apresentado formalmente no fim da tarde de ontem, o projeto do governo que dificulta o combate às fake news já enfrenta resistências no Congresso. O texto foi enviado depois de uma Medida Provisória (MP) com o mesmo teor ter sido devolvida pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e também barrada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Pacheco e Lira se pronunciaram de forma protocolar sobre o assunto. A avaliação entre deputados e senadores é que o tema já foi tratado em projetos aprovados recentemente — como o que revogou a Lei de Segurança Nacional (LSN) —, além de ser debatido em um grupo de trabalho que analisa uma proposta que parte de uma premissa oposta: enquanto o texto defendido pelo presidente Jair Bolsonaro dificulta a remoção de conteúdo pelas plataformas, o projeto já em debate busca limitar a difusão de desinformação, punindo os responsáveis.

No texto que substituiu a LSN, por exemplo, há punição para a disseminação de “fatos sabidamente inverídicos”. A legislação proposta pelo governo altera o Marco Civil da Internet e restringe as possibilidade de moderação de conteúdo pelas plataformas. Para o deputado Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, haverá extrema dificuldade para o governo.

— (Chance) Nenhuma (de passar).

"Mais profundidade"

Ontem, Lira deu a entender que o assunto será discutido pelo grupo de trabalho que já analisa projeto que trata do combate às notícias falsas. Na Câmara, a redação está sob supervisão do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que é a favor de uma regulação para evitar casos de fake news.

— Diferente da Medida Provisória, (o projeto) vai sofrer todo o crivo da Câmara e do Senado, para que isso sirva até de incentivo para que a comissão que se debruça sobre esse tema já há algum tempo, alguns meses, possa terminar o seu trabalho com mais profundidade. Para que a gente possa ter uma lei que dê conforto a todo mundo, que se evite esses excessos que vêm sendo praticados na internet — disse Lira.

Veja também: Renan Calheiros adia entrega do relatório da CPI da Covid para outubro

Pacheco também considerou que um projeto de lei é a “via própria” para apresentação de eventuais alterações do Marco Civil da Internet. Para ele, Bolsonaro tinha “algum direito” de encaminhar o texto após a devolução da MP pelo Congresso. Ele lembrou ainda do projeto relatado por Orlando Silva.

— Temos que proteger as nossas famílias desse mal que é o mau uso da internet, disseminado mentiras e fake news — declarou o presidente do Senado.

A iniciativa de Bolsonaro em enviar o projeto ganhou a adesão imediata do vice-presidente Hamilton Mourão, que está no exercício do cargo em função da viagem do presidente a Nova York.

— Na nossa visão, do governo, essa questão das plataformas de internet regularem o que pode ou não pode ser publicado está um tanto desorganizada — afirmou Mourão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos