Mercado abrirá em 8 h 9 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,37
    -0,10 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.891,30
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    22.541,39
    -735,85 (-3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    518,71
    -18,18 (-3,39%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.350,35
    +66,83 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    27.494,47
    -111,99 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    12.583,00
    +37,75 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5797
    +0,0123 (+0,22%)
     

Congresso quer barrar atuação da Buser e outros apps de viagens rodoviárias

Buser. Foto: Divulgação / Buser
PL dificulta atuação das empresas

(Divulgação / Buser)

  • Projeto de Lei dificulta a atuação de apps de viagens rodoviárias fretadas

  • Texto prevê a proibição da venda de bilhetes individuais e a intermediação da venda de passagens

  • Previsão é de que o Congresso vote hoje (15) na medida

O Congresso Nacional deve votar nesta quarta-feira (15) um projeto de lei que dificulta a atuação de aplicativos de viagens rodoviárias fretadas, como a Buser.

Leia também:

O texto do PL 3 819/20 proíbe tanto a intermediação da venda de passagens pelas plataformas quanto a venda de bilhetes individuais para viagens fretadas. A Buser, por exemplo, conecta passageiros que desejam ir para o mesmo destino com empresas de fretamento executivo. O modelo seria comprometido com a aprovação da medida.

Por volta das 7h, donos de empresas de ônibus deram início a uma paralização em frente ao Congresso para pressionar os parlamentarem a votarem contra o PL. A expectativa é de que se reúnam pelo menos 500 ônibus. As informações são da Veja.

Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, é um dos principais alvos dos manifestantes. O motivo está relacionado ao fato de que sua família é dona da Viação Real e Santa Rita, empresas de transporte que operam no Paraná e em Minas Gerais.