Mercado abrirá em 9 h 24 min
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,66
    -0,83 (-1,27%)
     
  • OURO

    1.867,70
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    40.876,15
    -4.149,10 (-9,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.131,07
    -122,08 (-9,74%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.159,75
    -52,25 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4334
    +0,0033 (+0,05%)
     

Congresso pressiona TCU para garantir Orçamento com emendas

JULIA CHAIB E THIAGO RESENDE
·5 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e líderes do centrão têm atuado no TCU (Tribunal de Contas da União) para que o órgão não se posicione contra o Orçamento de 2021, apesar dos valores insuficientes para despesas obrigatórias, como aposentadoria e pensões. Esse movimento faz parte da estratégia da cúpula do Congresso de enfraquecer o discurso do ministro Paulo Guedes (Economia), que defende um amplo veto a emendas parlamentares. A intenção do presidente da Câmara é preservar as emendas negociadas de última hora e que destinam dinheiro a obras e projetos para bases eleitorais de congressistas. Nos bastidores, Lira tem argumentado que o TCU é um órgão de assessoramento do Congresso e, por isso, não deve questionar a decisão do Legislativo, que aprovou o Orçamento no formato atual. Lira conversou com integrantes do tribunal de contas nesta semana, quando era esperado um parecer da área técnica do órgão sobre o Orçamento de 2021. O documento, no entanto, não apresentou conclusão sobre o assunto, dando fôlego às negociações do Congresso até o prazo de sanção do Orçamento —dia 22 de abril. Além disso, a área técnica pode se posicionar de uma maneira, mas os ministros têm liberdade para tomar suas decisões independentemente do parecer de auxiliares. O ministro da Economia defende o veto parcial do Orçamento e encontra resistência da cúpula do Congresso e de líderes dos principais partidos de centro. Os congressistas argumentam que Guedes participou da negociação da peça e que age com deslealdade agora quando tenta rever valores combinados anteriormente. O governo tem usado como argumento para vetar trechos do Orçamento o receio de que o TCU se posicione contra a peça e gere argumentos para reforçar pedidos de impeachment contra Bolsonaro, ao abrir brecha para o entendimento de que o presidente terá cometido crime de responsabilidade. Dilma Rousseff (PT) foi alvo de impeachment após ter as contas reprovadas pelo TCU e ser acusada de ter praticado pedaladas fiscais. Lira, por sua vez, já disse em conversas com Guedes e com o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, que o responsável por tocar processos de impedimento contra o presidente é o Congresso e não o tribunal de contas. Segundo relatos de congressistas, o deputado teria dito a Guedes que já tem na gaveta uma série de pedidos para afastar Bolsonaro e que mais um não faria diferença. Aliados de Lira pensam da mesma forma e têm a avaliação de que o Planalto precisa ser estratégico agora e priorizar a relação com os parlamentares. O governo também teme outra consequência de uma eventual reprovação de contas pelo TCU: caso Bolsonaro seja condenado por um órgão colegiado, ele acaba enquadrado na Lei da Ficha Limpa e, por consequência, impedido de disputar a eleição. Por causa do impasse, a semana terminou sem um acordo entre governo e Congresso. Bolsonaro ainda tende a vetar parcialmente o Orçamento. Do outro lado, aliados de Lira e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), dizem que, até esta sexta (9), não havia a menor chance de a cúpula do Congresso ceder. A queda de braço de Guedes com o Legislativo ampliou o desgaste do ministro com líderes do centrão, grupo formado por partidos como PP, PL, PTB e Republicanos. Aliados do governo no Congresso reforçaram os pedidos pela saída do titular da Economia. No lugar dele, querem o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Embora tenha afirmado em jantar com empresários que Guedes não será demitido, em privado, Bolsonaro tem dado sinais de descontentamento com o auxiliar. Segundo pessoas próximas, o presidente é grato ao ministro por ter lhe dado respaldo nas eleições de 2018 e assegurado o apoio de boa parte do mercado e de empresários. Agora, porém, Bolsonaro reclama dos desgastes políticos que têm caído no colo dele em razão de constantes rusgas de Guedes com parlamentares. E isso num momento em que a popularidade do presidente cai e cresce a articulação na oposição pelo impeachment. Se, até o fim do ano passado, líderes do centrão eram céticos quanto a uma eventual demissão do ministro, agora eles passaram a achar que Bolsonaro pode, sim, demiti-lo. Na avaliação deles, seria apenas uma questão de tempo porque o presidente não o demitiria agora para não dar a entender que ele saiu por causa da briga do Orçamento, ou seja, atendendo a um pedido do Congresso. Como parte da estratégia de garantir a sanção integral do Orçamento, inclusive das emendas parlamentares, congressistas pediram pareceres de consultorias da Câmara e do Senado sobre possíveis efeitos do ato de Bolsonaro em relação ao projeto aprovado. Técnicos do Congresso concluíram que, se sancionar o Orçamento sem vetos, Bolsonaro não cometerá crime de responsabilidade. Os documentos devem ser usados pela cúpula do Legislativo para tentar convencer o presidente a não derrubar parte do projeto. O Congresso aceita ceder em até R$ 13 bilhões de um total de R$ 29 bilhões, mas prefere a sanção integral desta parte do Orçamento. O ajuste nas contas seria feito depois, com a aprovação de proposta de alteração de gastos. "O presidente estaria adotando todas as medidas necessárias para o ajuste e a execução de todas as despesas obrigatórias, bem como o fiel cumprimento de todas as regras fiscais, inclusive as referentes ao teto de gastos e a meta fiscal, não incorrendo em crime de responsabilidade, salvo melhor juízo", diz uma das notas técnicas do Congresso. O teto de gastos é uma norma constitucional que impede o crescimento das despesas acima da inflação. A meta fiscal é o alvo do resultado entre receitas e despesas primárias do governo. A equipe de Guedes, porém, afirma que, se Bolsonaro sancionar um Orçamento com recursos insuficientes, correrá o risco de ser enquadrado em crime de responsabilidade.