Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.083,50
    +35,21 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Congresso do Peru autoriza segunda retirada de fundo de pensão em desafio ao presidente

Por Marco Aquino
·1 minuto de leitura

Por Marco Aquino

LIMA (Reuters) - O Congresso do Peru aprovou nesta segunda-feira uma lei que permitirá aos cidadãos do país andino retirarem mais de seus investimentos em fundos de pensão privados para aliviar a crise econômica causada pela pandemia de coronavírus.

A lei, aprovada quase por unanimidade apesar da oposição do governo do presidente Martín Vizcarra, autoriza a retirada de até 17.200 soles (4.765 dólares) do sistema de aposentadoria privada por membros que não contribuíram por mais de 12 meses consecutivos.

Em abril, o Congresso do Peru promulgou uma lei semelhante permitindo que as pessoas retirassem até 25% de suas participações em fundos de pensão privados. Essa lei permitia uma retirada máxima de 12.900 soles (3.573 dólares).

O Ministério da Economia e o Banco Central alertaram que uma segunda rodada de saques afetaria a solvência do sistema financeiro.

Quatro empresas de fundos de pensão privados operam no Peru. Em março, pouco antes da aprovação da primeira medida, eles administravam o equivalente a 46 bilhões de dólares.

Os fundos foram forçados a liquidar ativos nos mercados local e internacional em julho para acomodar os saques depois que a primeira lei foi aprovada.