Mercado fechará em 2 h 12 min
  • BOVESPA

    122.970,54
    +454,80 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.244,02
    +374,54 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,42
    -0,84 (-1,18%)
     
  • OURO

    1.813,90
    -8,30 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    38.203,39
    -1.564,23 (-3,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    932,12
    -11,32 (-1,20%)
     
  • S&P500

    4.412,78
    +25,62 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    35.044,67
    +206,51 (+0,59%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.021,50
    +68,75 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1911
    +0,0470 (+0,76%)
     

Congresso dos EUA aprova feriado para comemorar o fim da escravidão

·2 minuto de leitura
A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos enviou para a mesa do presidente Joe Biden um projeto de lei que transforma o 'Juneteenth' em feriado federal

Em um raro momento de unidade, republicanos e democratas aprovaram nesta quarta-feira (16) no Congresso dos Estados Unidos a criação de um novo feriado federal, em 19 de junho, para comemorar a emancipação dos últimos escravos do Texas em 1865.

O presidente norte-americano, Joe Biden, ainda precisa sancionar a lei, mas não há dúvida de seu apoio.

"Este dia representa a liberdade", disse a democrata Sheila Jackson Lee, uma das legisladoras da Câmara que apresentou o projeto de lei para transformar o "Juneteenth" - uma contração de junho e 19 em inglês - em um feriado nacional oficial.

A Câmara dos Representantes aprovou a lei por 415 votos a favor e 14 contra, com o apoio dos líderes democratas e republicanos.

Na véspera, a norma havia sido aprovada por unanimidade no Senado. Diante de uma foto antiga de um homem negro com as costas laceradas, Sheila Jackson Lee, uma congressista afro-americana, falou em plenário sobre a "longa jornada" até esta votação.

"Mas aqui estamos hoje, livres para votar pelo Juneteenth como feriado nacional da independência, um feriado federal para os Estados Unidos", declarou.

"Reconhecer e aprender com os erros do passado é essencial para seguir em frente", escreveu o senador republicano John Cornyn, que havia defendido o projeto com ela.

Os dois representam o Texas no Congresso. Foi nesse vasto estado do sul que os últimos escravos souberam, em 19 de junho de 1865, que estavam livres.

O presidente Abraham Lincoln havia ordenado o fim da escravidão dois anos e meio antes, ao assinar a Proclamação de Emancipação em 1º de janeiro de 1863. Porém, durante a Guerra Civil (1861-1865), a escravidão continuou nos estados confederados do sul dos Estados Unidos.

O líder do exército confederado, Robert Lee, assinou sua rendição em 9 de abril de 1865. Levou mais de dois meses para que a notícia chegasse à pequena cidade de Galveston, no Texas, em 19 de junho.

O "Juneteenth" já era feriado em alguns estados do país, inclusive no Texas, mas até agora não havia sido designado uma data federal.

Os apelos pela criação do feriado nacional aumentaram após o assassinato de George Floyd, um homem negro morto por um policial branco em 25 de maio de 2020.

O dia 19 de junho "nos lembra de uma história marcada pela brutalidade e a injustiça, e nos lembra da responsabilidade que temos de construir um futuro de progresso para todos que honrem o ideal de igualdade dos Estados Unidos", disse a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi.

bur-elc/iba/gma/lda/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos