Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    47.785,14
    -2.899,17 (-5,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Congresso aprova projeto que destrava Orçamento de 2021 e medidas como reedição da MP 936

Manoel Ventura
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Congresso Nacional aprovou, nesta segunda-feira (dia 19), o projeto de lei que destrava a edição de medidas econômicas contra a pandemia de Covid-19 e também um acordo para o Orçamento de 2021. O texto irá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Entre as medidas que podem ser editadas, após a sanção do projeto, está o programa de manutenção de empregos nos moldes da antiga Medida Provisória (MP) 936. Outra medida é o Pronampe, empréstimo a pequenas empresas com garantias da União.

O governo tem pressa porque depende da aprovação do projeto para reeditar a MP 936 que vigorou no ano passado e autorizou acordos de redução de jornadas e salários e suspensão dos contratos de trabalho, com contrapartida da União para ajudar a complementar a renda dos trabalhadores.

Com o agravamento da pandemia e das medidas restritivas para conter o avanço da doença, as empresas estão com dificuldades de pagar salários e manter os empregados.

O projeto altera dispositivo da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, a fim de permitir a execução de projetos que tenham duração específica no ano corrente. Com a modificação, não será necessária a apresentação de medida compensatória para fazer frente a esse tipo de despesa.

Além disso, o projeto tira os gastos com a pandemia, entre eles as despesas de saúde, da meta de resultado das contas públicas deste ano, que prevê um déficit de R$ 247 bilhões.

Os R$ 44 bilhões do auxílio emergencial já estavam fora da meta fiscal.

Os programas serão editados fora do teto de gastos, regra que impede o crescimento das despesas da União. Mas ainda era preciso observar a meta de resultado das contas públicas, o que não será mais necessário. Com isso, o Ministério da Economia dispensa a necessidade de mudar a meta.

O Ministério da Economia informou que “está finalizando os processos para a reabertura de dois programas de grande eficiência na mitigação dos efeitos da pandemia da Covid-19 sobre o emprego e a preservação das empresas de pequeno e médio porte”.

“Nos próximos dias, serão destinados até R$ 10 bilhões para o Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm) e mais até R$ 5 bilhões para o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe)", diz nota da pasta.

— Há de se colocar aqui que o governo não tem nenhuma condição de furar o teto de gastos, pelo contrário — disse o vice-líder do governo no Congresso, Cláudio Cajado (PP-BA).

Confira ainda: Veja 15 perguntas e respostas sobre direito do consumidor nas compras on-line

O projeto ainda viabiliza o acordo para destravar o Orçamento de 2021, cuja sanção será feita até quinta-feira. O texto permite o bloqueio de verbas não obrigatórias por decreto e também autoriza o remanejamento desses gastos para despesas obrigatórias.

Isso viabilizará manter R$ 16,5 bilhões em emendas parlamentares extras, como queria a Câmara, além de ajustar o total das despesas obrigatórias.