Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.826,35
    -536,75 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.273,32
    -441,28 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,13
    +0,47 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.799,70
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    62.128,63
    +2.773,09 (+4,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.501,47
    +82,09 (+5,78%)
     
  • S&P500

    4.596,42
    +44,74 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    35.730,48
    +239,79 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.760,00
    +172,75 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5692
    +0,1445 (+2,25%)
     

Congressista apresenta lei restritiva sobre o aborto na Flórida

·1 minuto de leitura
Ativistas que apoiam o direito das mulheres de decidirem pelo aborto protestaram em março de 2020 perante a Suprema Corte dos Estados Unidos (AFP/SAUL LOEB)

Um congressista republicano da Flórida, nos Estados Unidos, apresentou nesta quarta-feira (22) um projeto de lei estadual para proibir o aborto assim que for detectado o batimento cardíaco do feto, fato que geralmente ocorre por volta das seis semanas de gravidez.

Webster Barnaby, da Câmara dos Deputados local, apresentou o texto inspirado em uma lei recentemente aprovada no Texas, a mais restritiva do país sobre o aborto.

O projeto de lei de Barnaby “proíbe um médico de realizar ou causar um aborto se detectar um batimento cardíaco de um feto ou deixar de fazer o teste” desse batimento cardíaco.

O texto permite exceções em caso de estupro, incesto, violência doméstica, tráfico de pessoas ou se for demonstrado que a gravidez coloca em risco a saúde da gestante.

Uma grande diferença da lei do Texas, que não oferece exceções para estupro ou incesto.

Resta saber se o texto chegará ao Congresso, onde os republicanos têm maioria em ambas as câmaras.

O presidente da Câmara dos Deputados, Chris Sprowls, se dispôs a endurecer o direito ao aborto, mas não endossou a proibição após seis semanas, quando muitas mulheres ainda não sabem que estão grávidas.

Seu homólogo no Senado, Wilton Simpson, disse que apoia uma lei como a do Texas.

E o governador da Flórida, Ron DeSantis, chamou a lei do Texas de "interessante", mas disse que teria de estudá-la cuidadosamente antes de endossar um texto semelhante.

Para evitar uma decisão contrária da Suprema Corte, o estado redigiu sua lei de forma diferente: não cabe às autoridades fazer cumprir a medida, mas aos cidadãos, que são incentivados a entrar com ações civis contra organizações ou pessoas que ajudam mulheres a abortar.

gma/dga/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos