Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    62.138,25
    +2.429,82 (+4,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Congestionamento de contêineres nos portos britânicos vai durar meses

·2 minuto de leitura
Navio de carga chega ao porto de Felixstowe, ao leste de Londres, em 4 de março de 2021 (AFP/Ben Stansall)

O congestionamento que afeta portos de todo mundo e que obrigou, recentemente, vários navios porta-contêineres a se desviarem da Inglaterra para portos europeus vai durar mais de seis a nove meses - disse a Associação de Portos Britânicos (BPA, na sigla em inglês) à AFP nesta quarta-feira (13).

Causada pelas perturbações do tráfego mundial decorrentes da pandemia da covid-19, a situação já dura "mais de um ano" e "continuará por mais seis, ou nove, meses", afirmou o diretor de Assuntos Externos do BPA, Mark Simmonds.

Vários porta-contêineres gigantes repletos de mercadorias para o Natal tiveram de ser desviados de Felixstowe, o maior porto de contêineres britânico, na costa leste, para portos europeus, devido ao congestionamento em seus terminais, anunciou a gigante de navegação Maersk, na terça-feira (12).

Estes grandes cargueiros atracam em outros portos, como Roterdã, ou Antuérpia, e depois as mercadorias são transferidas para navios menores que as levam de volta para Felixstowe.

O porto inglês, que movimenta 36% da carga marítima do Reino Unido, é "um dos 3-4 portos mais afetados do mundo", segundo o Maersk.

Este congestionamento não é específico do Reino Unido, afirma a BPA, que registra tempos de espera na entrada de seus terminais "muito abaixo" da média mundial de "aproximadamente uma semana".

A situação "é muito pior na China e nos Estados Unidos", afirma Simmonds.

E os portos, ele explica, "estão todos conectados": um navio que sai da China, ou do Oriente Médio, uma semana depois do previsto e acumula atrasos em suas escalas dificulta para os portos a organização do planejamento de sua chegada ao Reino Unido.

As lojas "começam a encher seus estoques para o Natal em setembro-outubro", o que cria um pico de transporte nesta época do ano, mas todas as mercadorias poderão ser importadas a tempo, disse Simmonds.

No caso do Reino Unido, a situação se vê agravada pela significativa falta de caminhoneiros - 100 mil, segundo funcionários do setor. Isso faz os contêineres se acumularem nos portos, já que não há motoristas para transportá-los.

"Está claro que há um problema complexo, sobretudo, com os caminhoneiros, não apenas aqui, mas em toda Europa", declarou o copresidente do Partido Conservador no poder Oliver Dowden, em entrevista à Sky News, nesta quarta-feira (13).

O governo britânico está "trabalhando para resolver esses problemas", garantiu, declarando-se "convencido de que as pessoas poderão comprar seus brinquedos no Natal".

ode-acc/zm/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos