Mercado fechará em 3 h 3 min
  • BOVESPA

    107.697,06
    -3.742,30 (-3,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.761,41
    -546,30 (-1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,52
    -1,45 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.762,60
    +11,20 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    43.874,55
    -3.700,12 (-7,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.098,37
    -36,01 (-3,17%)
     
  • S&P500

    4.338,13
    -94,86 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.854,91
    -729,97 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.945,00
    -381,00 (-2,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2788
    +0,0794 (+1,28%)
     

Conflitos, burocracia e falta de dinheiro acentuam fome na América Central e Colômbia

·2 minuto de leitura
Uma menina iemenita em um acampamento para deslocados perto de Marib, o último reduto do governo no norte do Iêmen devastado pela guerra, em 18 de fevereiro de 2021

Conflitos, burocracia e falta de dinheiro dificultam o socorro aos afetados pela fome em vários países da América Central e Colômbia, denunciaram nesta sexta-feira (30), em Roma, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA).

A América Central, em particular a Guatemala, Honduras e Nicarágua, além da Colômbia, estão entre os países que vão registrar aumento dos níveis de insegurança nos próximos meses, segundo as duas entidades das Nações Unidas.

"Os esforços para combater o aumento repentino da insegurança alimentar aguda têm sido prejudicados por lutas e bloqueios de vários tipos que impedem a chegada de ajuda essencial para salvar vidas de famílias inteiras à beira da fome", alertou o comunicado conjunto da FAO e do PMA.

"Os conflitos, as repercussões econômicas da doença por coronavírus (covid-19) e a crise climática devem elevar os níveis de insegurança alimentar grave em 23 pontos críticos (...) nos próximos quatro meses", disseram ambos em um relatório interno.

Esses 23 pontos de acesso são Afeganistão, América Central (Guatemala, Honduras e Nicarágua), Angola, Chade, Colômbia, Etiópia, Haiti, Quênia, Líbano, Madagascar, Moçambique, Mianmar, Nigéria, República Centro-Africana, República da Coreia, República Democrática do Congo, Serra Leoa junto com a Libéria, o Sahel central (Burkina Faso, Mali e Níger), Síria, Somália, Sudão, Sudão do Sul e Iêmen.

De acordo com a FAO e o PMA, cerca de 41 milhões de pessoas correm o risco de passar fome se não receberem assistência alimentar imediata.

Em 2020, cerca de 155 milhões de pessoas em 55 países sofreram uma crise aguda de insegurança alimentar, um aumento de mais de 20 milhões em relação a 2019.

“A grande maioria dos que estão à beira da fome são agricultores (...). Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para ajudá-los a retomar a produção de alimentos por conta própria, para que famílias e comunidades possam se tornar autossuficientes novamente e não dependam de ajuda para sobreviver", disse o diretor-geral da FAO, QU Dongyu, da China.

O comunicado lembra que entre os países com maior número de pessoas necessitadas de assistência alimentar urgente estão Haiti, Honduras, Síria e Sudão.

“São necessárias medidas humanitárias urgentes para prevenir a fome, a inanição e a morte nestes 23 pontos críticos”, alertaram a FAO e o PMA.

kv/pc/jc/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos