Mercado abrirá em 3 h 8 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,65
    +0,78 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.942,20
    -3,10 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    23.001,73
    +110,43 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.793,17
    +21,47 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.145,25
    -6,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5282
    +0,0126 (+0,23%)
     

Confirmado: leite materno protege contra covid-19

A ciência já comprova que o leite materno é o melhor alimento para o bebê no início da vida. Além de ser rico nutricionalmente, o aleitamento transfere diferentes tipos de anticorpos da mãe para criança, fortalecendo o sistema imunológico imaturo e em desenvolvimento do pequeno. Agora, estudos confirmam que os bebês também podem receber proteções contra a covid-19 desde que lactante esteja vacinada.

O mais novo estudo sobre o compartilhamento de anticorpos entre mães e filhos, através do leite materno, foi liderado por pesquisadores da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos. As conclusões da pesquisa foram publicadas na revista científica Journal of Perinatology.

Longe de ser uma descoberta inédita, a pesquisa chega para confirmar um conjunto de evidências que apontam para a transmissão dos anticorpos da covid-19. Em 2021, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) já observavam a relação.

Bebês com anticorpos da covid-19

No estudo norte-americano, os cientistas analisaram a concentração das proteínas protetoras nas fezes dos bebês. "A presença de anticorpos específicos para SARS-CoV-2 nas fezes infantis após a vacinação materna oferece mais evidências da transferência duradoura desses anticorpos por meio da amamentação", afirmam os autores do estudo.

Após a coleta e processos de filtragem, os anticorpos foram testados no controle de pseudovírus que simulam o vírus da covid-19 em laboratório. No experimento, foram eficazes em inativar o agente infeccioso, indicando possível ação no mundo real — algo que ainda deve ser confirmado.

“Os anticorpos ingeridos através do leite materno podem fornecer um revestimento protetor na boca e no trato gastrointestinal dos bebês”, explica Vivian Valcarce Luaces, médica e uma das autoras do estudo, em comunicado.

Em outra etapa da pesquisa, a equipe mediu os níveis de anticorpos contra a covid-19 presentes no sangue das lactantes e no leite materno. Como era esperado, as concentrações da proteína caem conforme se afasta o momento da imunização.

Próximo passo da pesquisa sobre o leite materno e a covid-19

Mães vacinadas podem transmitir anticorpos contra a covid-19 para bebês, através do leite materno (Imagem: RossHelen/Envato)
Mães vacinadas podem transmitir anticorpos contra a covid-19 para bebês, através do leite materno (Imagem: RossHelen/Envato)

“Em nossa pesquisa, estamos acompanhando a jornada dos anticorpos, desde o momento em que são produzidos na mãe após a vacinação e, agora, pelo sistema digestivo do bebê. A próxima pergunta é se esses bebês têm menos probabilidade de contrair a covid-19”, afirma Josef Neu, outro autor do estudo.

Para responder esta questão, a pesquisa precisará recrutar mais mães e crianças. Isso porque, no atual estudo, foram considerados apenas 37 mães e 25 bebês. O número é baixo estatisticamente para estimar o risco de uma criança contrair a covid-19, após o aleitamento materno.

Importância da vacinação de gestantes

Vale lembrar que, para além do leite materno, a vacinação de gestantes e lactantes é fundamental para a proteção da covid-19, conforme orientam especialistas. Segundo estudo da Universidade George Washington, a doença aumenta em sete vezes o risco de morte materna. Além disso, o risco é 1,7 vez maior de nascimento prematuro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: