Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.623,62
    +829,30 (+2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Confirmada pena de 20 anos de prisão para ex-presidente sul-coreana

·2 minuto de leitura
A ex-presidente Park Geun-hye, condendada por corrupção e abuso de poder, em foto de arquivo do dia de sua condenação em 2018

O Supremo Tribunal da Coreia do Sul confirmou, nesta quinta-feira (14), a sentença de 20 anos de prisão para a ex-presidente Park Geun-hye pelo escândalo de corrupção que precipitou seu impeachment em 2017.

Esta decisão encerra um longo processo judicial que se seguiu à queda da ex-chefe de Estado após vários meses de protestos em massa.

Primeira mulher eleita para a Presidência da Coreia do Sul, Park foi condenada em 2018 a 30 anos de prisão por corrupção e abuso de poder.

Após uma série de recursos e de novos julgamentos, a sentença foi reduzida para 20 anos de prisão.

Nesta quinta, o caso voltou pela segunda vez ao Supremo Tribunal, que manteve a sentença de 20 anos.

A mais alta corte também aprovou as multas e indenizações que chegam a 21,5 bilhões de wons (16 milhões de euros).

Park, que há muito boicota as audiências denunciando uma suposta parcialidade da Justiça, esteve ausente nesta quinta-feira no tribunal.

Ela também acabou condenada a dois anos de prisão por violações da lei eleitoral.

A ex-presidente terá mais de 80 anos quando tiver cumprido os 22 anos de prisão a que foi condenada.

Park foi considerada culpada de receber, ou de pedir dezenas de milhões de dólares a empresas sul-coreanas, como a Samsung Electronics, de compartilhar documentos secretos, de "colocar em uma lista negra" artistas que criticavam sua política e de demitir autoridades que se opunham aos seus abusos de poder.

O escândalo expôs o conluio perturbador entre esses conglomerados familiares e o poder político, por meio de Park, ou de sua confidente Choi Soon-sil, que aceitou subornos em troca de favores políticos.

Depois de ser destituída do cargo, o advogado de centro-esquerda Moon Jae-in chegou ao poder em 2017, graças à perda de credibilidade dos conservadores.

A Coreia do Sul é conhecida pela severidade de sua Justiça para com ex-chefes de Estado. A tal ponto que os quatro ex-presidentes sul-coreanos ainda vivos foram condenados no final de seu mandato.

O ex-chefe de Estado Roh Moo-hyun cometeu suicídio em 2009, após ser interrogado por suspeitas de corrupção envolvendo sua família.

O fim do processo judicial significa que Park pode agora buscar o perdão presidencial.

Algumas semanas atrás, o chefe do Partido Democrata (centro-esquerda) no poder disse que estava pensando em "sugerir" perdão para Park e para Lee Myung-bak, outro ex-presidente condenado. Essas declarações geraram uma enxurrada de críticas tanto da direita quanto da esquerda.

cdl/slb/jac/am/af/zm/mr/tt