Confira dicas de como aproveitar o Fim de Ano sem entrar no vermelho

SÃO PAULO – As festas de fim de ano podem levar muitos consumidores a se endividarem por conta dos presentes comprados, montagem da decoração de natal e preparação das ceias. Para orientar o consumidor, a Proteste – Associação de Consumidores preparou uma série de dicas para o consumidor planejar as finanças e não ser prejudicado na hora da compra. 

A Associação lembra que o importante é planejar bem os gastos e que o ideal é pagar as contas à vista. O consumidor também pode aproveitar o 13º para negociar descontos ou então pedir crédito ao banco no valor de suas compras, no entanto só vale a pena se as prestações forem menores que as da loja.

Caso opte pelas compras a prazo no estabelecimento, procure se informar sobre as condições da operação, como IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e CET (Custo Efetivo Total), incluindo juros e outros encargos cobrados.

Quando emitir cheques pré-datados, o consumidor deve anotar os valores, os produtos comprados e as datas em que serão descontados, pois se o cheque for compensado antes da data combinada, e o  consumidor sofrer prejuízo, é possível entrar com uma ação judicial pedindo a reparação dos danos causados.

Outra dica é conferir se o valor da compra está correto antes de digitar a senha do cartão, pois com o tumulto das lojas, o vendedor pode registrar um valor diferente do combinado. Além disso, confira se o valor do produto é o mesmo tanto para pagamento a prazo quanto à vista, pois se não for, o estabelecimento deve ser denunciado a um órgão de defesa do consumidor.

A Proteste também alerta para que o consumidor evite pagar o valor mínimo da fatura para não cair no crédito rotativo.

Presentes
Antes de comprar o presente, a Proteste lembra que é importante analisar o produto para evitar que ele venha com defeito, além de sempre exigir a nota fiscal. Confira o que deve ser analisado:

- Embalagem: deve conter as informações do registro do produto, origem, composição, tamanho, volume, modo de uso, alerta de risco à saúde e contato do fornecedor. No caso de alimentos e cosméticos ainda é preciso apresentar prazo de validade, lote ou data de fabricação.

- Eletroeletrônicos: verifique a voltagem, os recursos existentes, se é necessária a compra de acessórios e se existe assistência técnica autorizada na cidade. Também peça para testar o produto, se não for possível, faça o teste assim que chegar em casa, e caso constate algum problema entre em contato com o estabelecimento ou fabricante.

- Entregas: se escolher em receber o produto em casa verifique se foram entregas todas as peças e acessórios, manual de instrução em linguagem didática, termo de garantia e relação de assistências técnicas.

- Importados: verifique se funciona no Brasil, se o manual está em português, se possui assistência técnica no País e se há peças de reposição.

- Brinquedos: a embalagem precisa ter as informações de composição, características, instruções de uso ou de montagem, faixa etária ou idade a que se destina, identificação do fabricante, número de peças e selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia). Confira também se o produto possui peças soltas, pontiagudas ou muito pequenas, que podem machucar a criança ou serem ingeridas.

Defeito
Os estabelecimentos não são obrigados a efetuar trocas, e se aceitarem, o produto precisa estar dentro da garantia legal. Segundo a Proteste, bens duráveis, como eletrônicos, possuem o prazo de 90 dias, enquanto os não duráveis, como alimentos e alguns medicamentos são de 30 dias.

A obrigação de troca, ou devolução da quantia paga, só é obrigatória quando o produto tem defeito, e após ser feita a tentativa, sem sucesso, de reparo na assistência, no prazo de 30 dias.

O consumidor também pode tentar solucionar o defeito do produto se o mesmo estiver na garantia contratual. Normalmente, a garantia é estipulada pelo fabricante, ou fornecedor, porém nem todos os itens da mercadoria possuem cobertura. Também é possível contratar a garantia estendida, pagando um valor adicional. Não se esqueça de ler todos os contratos para saber quais peças possuem garantia.

Camelô
Evite comprar produtos de camelódromos, pois a maioria dos produtos é falsificada ou até roubadas. Os camelôs não fornecem nota fiscal e não existe a garantia da origem do produto, o que dificulta a troca ou a reclamação por defeito.

Internet
Na internet é possível encontrar preços mais baixos do que nas lojas físicas, porém a Associação lembra que é preciso ficar atento para receber o produto antes do Natal, ou não cair em golpes.

Caso encontre uma promoção irresistível em um site desconhecido, busque por informações sobre a empresa, como razão social, CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), endereço e telefone. Se a referência for uma caixa postal, evite, pois poderá ter dificuldades para localizar o fornecedor em caso de problemas. Opte por lojas conhecidas, imprima e salve todos os passos da operação e não faça depósitos em uma conta de pessoa física.

As compras realizadas pela internet podem ser canceladas e o valor pago devolvido, mesmo sem defeito no produto. O consumidor possui o prazo de sete dias, a partir do recebimento do produto, para efetuar a desistência.

Iluminação
As lâmpadas ou pisca-piscas são um dos artigos mais procurados para enfeitar a casa para o Natal. A Proteste lembra que o consumidor deve verificar se o produto que pretende adquirir é seguro e está de acordo com as normas técnicas, para evitar acidentes.

Procure também, evitar o desperdício de energia elétrica, desligando os enfeites da tomada na hora de dormir ou quando não estiver em casa. Verifique se na embalagem consta o nome do fabricante, instruções e informações em língua portuguesa, tensão em volts, se o produto pode ser sudado dentro e fora de casa e quando deve ser desligado da tomada.

Sem estresse
Para evitar o estresse na hora de sair às compras, liste o nome das pessoas que pretende presentear e os possíveis presentes que pode comprar. Não compre por impulso, compare o preço e condições de pagamento e procure ir às lojas em horários com menor aglomeração.

No caso de compras pela internet, procure comprar com antecedência, pois as vezes os sites não dão conta da quantidade de entregas ou podem vender um produto sem tê-lo no estoque. Já nas promoções oferecidas pelas lojas físicas, confira quais são as condições dos anúncios.

Ceia
Para organizar a ceia, saiba quantas pessoas irão participar da festa e defina o valor máximo que pretende gastar na comemoração. Monte o cardápio e faça uma lista dos ingredientes necessários, pesquisando o preço dos produtos antes de comprá-los.

Carregando...